Melhoramento genético – argumentos a favor e contra

Argumentos contra

O aprimoramento genético viola o direito à autonomia: ao escolher o código genético da criança com antecedência, os pais negam a ela o direito a um futuro aberto. Isso irá direcionar as crianças à escolhas particulares (Sandel).

Crítica: Mas isso equivocadamente implica que na ausência de um projetista, as crianças são livres para escolher suas características para si. Mas nenhum de nós escolhe sua herança genética (Sandel). Quer seja o pai ou a natureza, de qualquer forma a criança não tem liberdade. As crianças estão à mercê de seus pais ou a loteria genética.


O aprimoramento genético criaria duas classes de seres humanos: aqueles com acesso a tecnologias de melhoria e aqueles que devem se contentar com suas capacidades naturais (Sandel).

Crítica: Mas isso não mostra o que há de errado com o aprimoramento propriamente dito. É o efeito de uma injusta distribuição de melhoramentos. Se a injusta distribuição pudesse ser resolvida, nós ainda seríamos deixados com o debate sobre se o melhoramento genético é moralmente aceitável (Sandel).


O aprimoramento genético mina o esforço e afeta a agência humana (Sandel). E se eu recebo um A no meu teste de cálculo, foi por causa do meu esforço e trabalho duro ou resultado do que meus pais forneceram? Parabenizo-me ou agradeço ao médico?


O aprimoramento genético cria um desejo de domínio que não reconhece o caráter de dádiva das capacidades e realizações humanas (Sandel).

Crítica: Mas suponha que um cientista trabalhe para encontrar a cura para a cegueira. Vamos supor também que ele é motivado por um desejo de domínio. Isso torna seus esforços inadmissíveis? Presumivelmente não. Os bons resultados parecem superar a intenção. Nós podemos julgar o caráter do cientista como falho, mas ainda considerar que seu objetivo (cegueira cura) é admissível (Kamm).


O aprimoramento genético desfigura a relação entre pais e filhos, e priva os pais da humildade e simpatia de que uma abertura para o inesperado gera (Sandel). Os pais podem perder a ideia de amor incondicional, afirmando o ser da criança, e se concentrar demais em transformar seu filho, buscando perfeição (Sandel).

Crítica: Mas se é bom contratar tutores, pagar as aulas de preparação o SAT e contratar instrutores pessoais para os seus filhos, por que o melhoramento genético é diferente?


Começaremos a ver nossos talentos como realizações pelas quais somos responsáveis em vez de presentes pelos aos quais devemos ser gratos. Isso transformaria a paisagem moral de três maneiras fundamentais (Sandel).

Crítica: À medida que os pais adquirem a capacidade de controlar vários aspectos do código genético dos filhos, começariam a perder a humildade de aceitar as crianças tal como elas nascem. Essa humildade age como um controle sobre o impulso de controlar as crianças (Sandel).

Crítica: O aprimoramento genético resultaria em uma explosão de responsabilidade. Nós começaremos a atribuir cada vez menos responsabilidade ao acaso e mais à escolha. Isso abre a porta para culpar alguns por não escolher se melhorar de alguma forma. Suportaremos um fardo maior pelos talentos que temos ou não (Sandel).

Crítica: A melhoria genética corroerá a solidariedade. Quanto mais o acaso tiver um papel em nossos talentos e dons, mais razão temos de compartilhar nosso destino com outros, como forma de entender sua situação (Sandel). Por que a pessoa que teve sucesso deve algo ao menos afortunado? Porque vê seus dons como o produto da boa fortuna e não tem mérito total sobre eles(Sandel).

Crítica: Mas não é também verdade que muitas pessoas desejam ajudar os outros com um sentido de respeito e preocupação com o valor de outras pessoas e não porque elas não merecem seu destino (Kamm)? (Permitir o aprimoramento genético significaria que há menos casos de pessoas que estão mal e, portanto, menos pessoas que precisam de ajuda (Kamm).

Argumentos em favor

Enquanto não houver coerção estatal, as pessoas devem ser livres para projetar seus filhos ou eles próprios. O resultado estará de acordo com os interesses de todos. As pessoas serão livres para perseguir seus próprios objetivos preferidos de vida e para não serão limitadas pela distribuição natural injusta de talentos. (Rawls, conforme analisado por Sandel).


Mas que tipo de características seriam selecionadas ou não selecionadas? Existe algum problema com isso? Que tipos de traços começariam a desaparecer?


Teríamos a capacidade de curar doenças, prolongar a vida, melhorar o sofrimento e ajudar as pessoas a se destacar em seus esforços (Conselho do Presidente sobre Bioética).


Fazer uma distinção moral entre o melhoramento genético e o tratamento não parece capturar o que pode ser moralmente digno de valorização no melhoramento genético. Suponha que podemos encontrar a cura para uma doença terrível somente se nós melhorarmos a inteligência e memória de nossos melhores cientistas, então parece que esse aprimoramento pode ser moralmente admissível (Kamm). A importância de descobrir tratamentos pode repousar no aprimoramento da inteligência.


Nem tudo o que a natureza oferece é sagrado e merecedor de honra. A natureza é também responsável pelo câncer, AIDS e terremotos. Se for permitido, como Sandel parece sugerir, interferir com as partes “ruins” da natureza, então parece que também é correto permitir a extensão de nossa vida e evitar certos aspectos do envelhecimento. (Kamm).


Qual é a diferença relevante entre os pais que oferecem aulas para fortalecer as cordas vocais de seus filhos e fornecer uma droga ou manipulação genética que atinge o mesmo fim?

Lone J. M., Burroughs M. D. Philosophy in Education: Questioning and Dialogue in Schools. Rowman & Littlefield, 2016, p. 169-174, tradução nossa.

  • Esse artigo foi útil para você?
  • Sim   Não

Deixe um comentário, sugestão, crítica