Montesquieu e os três poderes | Filosofia na Escola

Montesquieu e os três poderes

O tirano é uma pessoa que se apodera do poder do Estado de forma pessoal e o usa de forma violenta e arbitrária. Os exemplos são abundantes nas páginas da história, e as atrocidades que são capazes de cometer também: Hitler, Napoleão, Ivan, o terrível, Lênin, Alexandre, o Grande etc. São pessoas que ficaram marcadas em sua história pela extrema crueldade com que conduziram seu governo.

Olhemos em mais detalhe um desses casos: Ivan, o terrível. Conta-se que andava pelas ruas de Moscou com uma gangue assaltando idosos, estuprando mulheres e matando suas vítimas estranguladas. Depois da morte de sua primeira esposa, convencido que havia sido envenenada, torturou e matou milhares de pessoas. Usava camponesas nuas de alvo para treinar sua mira e divertia sua filho atacando pessoas com uma lança. Mesmo os amigos não estavam a salvo: um de seus conselheiros foi fervido até a morte em um caldeirão e outro enforcado. Saqueou e queimou a cidade de Novgorod em 1570. Não bastasse isso, mutilou, enforcou, empalou 60 mil de seus habitantes. E esses são apenas uns poucos detalhes da biografia de um tirano que talvez tenha sido um dos mais cruéis da história.

Esses relatos servem para ilustrar o pressuposto fundamental do pensamento de Montesquieu, a ideia de que o poder ilimitado corrompe. O poder nessas condições faz com que aquele que o detém abuse em prejuízo da população, tal como fizeram os inúmeros tiranos da história.

Publicidade

Como evitar a corrupção do governo

Como garantir que o governo, que deveria zelar pelo bem comum não abuse do poder que dispõe em benefício próprio? Em O Espírito das Leis, publicado em 1748, Montesquieu pretende mostrar uma solução para esse problema. Sua ideia é algo que acabou prevalecendo na organização do poder dos estados democráticos: a divisão de poderes entre legislativo, executivo e judiciário.

A maioria das democracias contemporâneas criou instituições que atribuem funções de grande importância para o governo de uma sociedade a órgãos diferentes. O legislativo tem como atribuição legislar, isto é, criar leis e também fiscalizar a conduta do executivo. Ao poder executivo, por outro lado, cabe executar essas leis e implementar uma série de políticas necessárias para o país. Por fim, o judiciário tem como função julgar eventuais infrações, desrespeitos a leis cometidas pelos integrantes dos outros dois poderes e pela população em geral.

Um exercício simples de pensamento pode ajudar a compreender porque a divisão de poderes contribui para impedir o abuso. Imaginemos um caso extremo em que o governo concentra todos os poderes. Nesse Estado existe uma lei que proíbe, por exemplo, que se use cidadãos comuns como alvo para treinar pontaria e tortura como forma de punição. O que aconteceria seu governante desrespeitasse essas leis? Como não existe um poder judiciário independente do governo, a resposta mais provável é: nada. A não ser que o governo decida condenar a si mesmo. Seria realmente cômico o veredito: “eu, por ter infringido a lei que proíbe a tortura, me condeno a dez anos de prisão em regime fechado”. Algo realmente muito improvável acontecer.

Por outro lado, quando os poderes são independentes e possuem atribuições bem definidas, é mais provável que o judiciário condene o executivo ou legislativo por alguma infração. A divisão de poderes, assim, cria freio e contrapesos para a conduta daqueles que dispõe de poder.

Recentes

  1. Demócrito
  2. Tales de Mileto
  3. Parmênides
  4. Anaximandro
  5. Heráclito

Example image

Livros de filosofia

Confira uma seleção de livros de filosofia e embarque numa viagem pelo mundo das ideias.

Leia mais
Example image

Guia de falácias

Guia com explicações, exemplos e exercícios sobre uma série de falácias encontradas na argumentação cotidiana.

Estudar