O dilema do trem

O dilema do trem é um eperimento mental que testa nossas intuições morais mais básicas. Os filósofos adoram conduzir experimentos mentais. Frequentemente, envolvem situações bastante bizarras, e os críticos se perguntam quão relevantes essas experiências mentais são para o mundo real. Mas o objetivo dos experimentos é nos ajudar a esclarecer nosso pensamento, levando-o aos limites. O “dilema do trem” é um dos mais famosos desses experimentos filosóficos.

O problema básico do trem

Uma versão desse dilema moral foi apresentada pela primeira vez em 1967 pela filósofa moral britânica Phillipa Foot.

Eis o dilema básico: um trem está correndo pelos trilhos e está fora de controle. Se continuar em seu curso e não for desviado, ele passará por cima de cinco pessoas que foram amarradas aos trilhos. Você tem a chance de desviá-lo para outra pista simplesmente puxando uma alavanca. Se você fizer isso, no entanto, o trem vai matar um homem que por acaso está parado nesta outra pista. O que você deveria fazer?

A resposta utilitária

Para muitos utilitaristas, o problema é óbvio. Nosso dever é promover a maior felicidade do maior número. Cinco vidas salvas é melhor que uma vida salva. Portanto, a coisa certa a fazer é puxar a alavanca.

O utilitarismo é uma forma de consequencialismo. Julga ações por suas consequências. Mas há muitos que pensam que temos que considerar outros aspectos da ação também. No caso do dilema do trem, muitos se incomodam com o fato de que, se puxarem a alavanca, estarão ativamente engajados em causar a morte de uma pessoa inocente. De acordo com nossas intuições morais normais, isso é errado, e devemos prestar atenção às nossas intuições morais normais.

Os chamados “utilitaristas de regras” podem concordar com esse ponto de vista. Eles sustentam que não devemos julgar todas as ações por suas consequências. Em vez disso, devemos estabelecer um conjunto de regras morais a serem seguidas de acordo com as regras que promoverão a maior felicidade do maior número a longo prazo. E então devemos seguir essas regras, mesmo que, em casos específicos, isso não produza as melhores consequências.

Mas os chamados “utilitaristas do atos” julgam cada ato pelas suas consequências; então eles simplesmente farão as contas e puxarão a alavanca. Além disso, eles argumentarão que não há diferença significativa entre causar uma morte, puxando a alavanca e não impedindo uma morte, recusando-se a puxar a alavanca. Uma pessoa é igualmente responsável pelas consequências em ambos os casos.

Aqueles que pensam que seria certo desviar o trem frequentemente apelam para o que os filósofos chamam de doutrina do duplo efeito. Simplificando, esta doutrina afirma que é moralmente aceitável fazer algo que cause um dano sério para promover algum bem maior se o dano em questão não for uma consequência intencional da ação, mas sim um efeito colateral não intencional.  O fato de que o dano causado ser previsível não importa. O que importa é se o agente pretende ou não.

A doutrina do duplo efeito desempenha um papel importante na teoria da guerra justa. Ela tem sido frequentemente usada para justificar certas ações militares que causam “danos colaterais”. Um exemplo de tal ação seria o bombardeio de um depósito de munição que não apenas destrói o alvo militar, mas também causa uma série de mortes de civis.

Estudos mostram que a maioria das pessoas hoje, pelo menos nas sociedades ocidentais modernas, dizem que puxariam a alavanca. No entanto, eles respondem de forma diferente quando a situação é ajustada.

Um homem gordo na ponte

Homem gordo sendo empurrado de uma ponte para parar o trem e salvar a vida de cinco pessoas

Homem gordo sendo empurrado de uma ponte para parar o trem e salvar a vida de cinco pessoas. É certo fazer isso?

A situação é a mesma de antes: um trem desgovernado ameaça matar cinco pessoas. Um homem muito pesado está sentado em uma parede em uma ponte que passa sobre a pista. Você pode parar o trem empurrando-o da ponte para a pista em frente ao trem. Ele vai morrer, mas os cinco serão salvos. (Você não pode optar por pular na frente do bonde porque não é grande o suficiente para pará-lo.)

De um ponto de vista utilitarista, o dilema é o mesmo – você sacrifica uma vida para salvar cinco? – e a resposta é a mesma: sim. Curiosamente, no entanto, muitas pessoas que puxariam a alavanca no primeiro cenário não empurariam o homem neste segundo cenário. Isso levanta duas questões:

A questão moral: se puxar a alavanca está certo, por que empurrar o homem estaria errado?

Um argumento para tratar os casos de maneira diferente é dizer que a doutrina do duplo efeito não se aplica mais quando alguém empurra o homem para fora da ponte. Sua morte não é mais um efeito colateral infeliz de sua decisão de desviar o trem; sua morte é o meio pelo qual o trem é parado. Então você dificilmente pode dizer neste caso que quando você o empurrou da ponte você não estava pretendendo causar a morte dele.

Um argumento estreitamente relacionado é baseado em um princípio moral que ficou famoso pelo grande filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804). De acordo com Kant, devemos sempre tratar as pessoas como fins em si mesmas, nunca apenas como um meio para nossos próprios fins. Isso é comumente conhecido, como o “princípio dos fins”. É bastante óbvio que se você empurrar o homem para fora da ponte para parar o bonde, você o usará apenas como um meio. Tratá-lo como o fim seria respeitar o fato de que ele é um ser livre e racional, explicar-lhe a situação e sugerir que se sacrifique para salvar as vidas daqueles que estão amarrados nos trilhos. Claro, não há garantia de que ele será persuadido. E antes que a discussão tivesse chegado muito longe, o trem provavelmente já teria passado debaixo da ponte!

A questão psicológica: por que as pessoas puxam a alavanca, mas não empurram o homem?

Os psicólogos não estão preocupados em estabelecer o que é certo ou errado, mas em compreender por que as pessoas relutam muito mais em empurrar um homem para a morte do que em causar sua morte puxando uma alavanca. O psicólogo de Yale, Paul Bloom, sugere que a razão está no fato de que causar a morte do homem ao tocá-lo realmente desperta em nós uma resposta emocional muito mais forte. Em toda cultura, existe algum tipo de tabu contra o assassinato. A relutância em matar uma pessoa inocente com nossas próprias mãos está profundamente enraizada na maioria das pessoas. Essa conclusão parece ser apoiada pela resposta das pessoas a outra variação do dilema básico.

Um vilão na ponte

Suponha agora que o homem na ponte é o mesmo homem que amarrou as cinco pessoas inocentes na pista. Você estaria disposto a empurrar essa pessoa para a morte para salvar os cinco? A maioria diz que sim, e esse curso de ação parece bastante fácil de justificar. Dado que ele está tentando intencionalmente fazer com que pessoas inocentes morram, sua própria morte parece a muitas pessoas ser merecida. A situação é mais complicada, porém, se o homem for simplesmente alguém que tenha feito outras ações ruins. Suponha que no passado ele tenha cometido assassinato ou estupro e que ele não tenha pago nenhuma penalidade por esses crimes. Isso justifica violar o princípio dos fins de Kant e usá-lo como um mero meio?

Um parente próximo na ponte

Aqui está uma última variação a considerar. Volte para o cenário original – você pode puxar uma alavanca para desviar o trem para que cinco vidas sejam salvas e uma pessoa seja morta – mas desta vez a única pessoa que será morta é sua mãe ou seu irmão. O que você faria neste caso? E qual seria a coisa certa a fazer?

Um utilitarista rigoroso pode ter que estar disposto a causar a morte da mãe ou irmão. Afinal, um dos princípios básicos do utilitarismo é que a felicidade de todos é igual. Como disse Jeremy Bentham, um dos fundadores do utilitarismo moderno: todos contam para um; ninguém por mais de um. Então desculpe mãe!

Mas isso definitivamente não é o que a maioria das pessoas faria. A maioria pode lamentar a morte dos cinco inocentes, mas não estão dispostos a matar um ente querido para salvar a vida de estranhos. Isso é mais compreensível do ponto de vista psicológico. Os seres humanos são estimulados tanto no curso da evolução quanto através de sua criação, para que se importem mais com aqueles que os rodeiam. Mas é moralmente legítimo mostrar uma preferência pela própria família?

É nesse ponto que muitas pessoas acham que o utilitarismo estrito é irracional e irrealista. Não apenas tenderemos naturalmente a favorecer nossa própria família em detrimento de estranhos, mas muitos pensam que devemos. Pois a lealdade é uma virtude e a lealdade à família é uma forma básica de lealdade. Assim, aos olhos de muitas pessoas, sacrificar a família por estranhos vai contra nossos instintos naturais e nossas intuições morais mais fundamentais.