Apelo à autoridade irrelevante | Filosofia na Escola

Apelo à autoridade irrelevante

Embora, por vezes, pode ser apropriado citar uma autoridade para suportar uma opinião, muitas vezes não é. Em particular, um apelo à autoridade é especialmente impróprio se:

  1. a pessoa não está qualificada para ter uma opinião de especialistas sobre o assunto;
  2. especialistas na área discordam sobre a questão;
  3. a autoridade estava fazendo uma piada, estava bêbado ou não estava falando sério.

A variação de falácia do apelo à autoridade é boato. Um argumento a partir de boatos é um argumento que depende de fontes em segunda ou terceira mão.

Exemplos

  • O psicólogo Dr. Frasier Crane recomenda que você compre o EZ-Rest Hot Tub.
  • O economista John Kenneth Galbraith defende que uma política econômica de austeridade é a melhor cura para a recessão (apesar de Galbraith ser um perito, nem todos os economistas concordam sobre este ponto).
  • Nós estamos indo para a guerra nuclear. Na semana passada Ronald Reagan disse que começaríamos a bombardear a Rússia em cinco minutos (claro, ele disse que como uma brincadeira durante um teste do microfone).
  • Meu amigo ouviu a notícia no outro dia que o Canadá irá declarar guerra à Sérvia (este é um caso de rumores, na verdade, o repórter disse que o Canadá não iria declarar guerra).
  • O Ottawa Citizen informou que as vendas subiram 5,9 por cento este ano (isso é boato, não estamos na posição de verificar as fontes do Citizen).

Prova

Mostre que (a) a pessoa citada não é uma autoridade no campo, ou que (b) há discordância generalizada entre os especialistas da área sobre este ponto.

Referências

Cedarblom and Paulsen: 155, Copi and Cohen: 95, Davis: 69

Fonte

Stephen Downes Guide to the Logical Fallacies – Norm Jenson’s Mirror
Tradução, adaptação e notas: Maurício Sauerbronn de Moura