CS Lewis e o argumento da moralidade

Por Austin Cline

Um argumento muito popular entre os apologistas cristãos para defender a existência de deus, incluindo CS Lewis, é o argumento da moralidade. Segundo Lewis, a única moralidade válida que pode existir é a objetiva – todas as concepções subjetivas de moralidade levam à ruína. Além disso, uma autêntica moralidade objetiva deve ser fundamentada em uma realidade sobrenatural. Assim, ele também rejeita todas as concepções naturalistas de uma moralidade objetiva. Seu argumento é bem sucedido?

De acordo com o Argumento Moral, existe uma “consciência moral” humana universal que sugere semelhanças humanas básicas. Todos experimentam um senso interno de obrigação moral de fazer a coisa certa; Lewis afirma que a existência de uma “consciência moral” universal, consistente ao longo do tempo e das culturas, só pode ser explicada pela existência de um deus que nos criou. Além disso, Lewis insiste que as gerações anteriores tinham uma compreensão melhor da Lei Moral, por causa de sua maior concordância sobre o que constitui um comportamento moral e imoral.

Não é verdade, no entanto, que todos os seres humanos tenham uma consciência moral – alguns são diagnosticados sem ela e são rotulados como sociopatas ou psicopatas. Se os ignoramos como uma aberração, porém, ainda temos grandes diferenças de moralidade entre diferentes sociedades. CS Lewis afirmou que culturas diferentes tinham “morais apenas ligeiramente diferentes”, mas antropólogos e sociólogos só podem considerar tal afirmação com escárnio. Como estudante da história grega e romana, o próprio Lewis certamente sabia que sua alegação era falsa.

O pequeno acordo que existem entre diferentes culturas sobre o que é certo ou errado é uma base muito frágil para sustentar o argumento de Lewis, além disso essas semelhanças podem ser explicadas em termos evolucionistas. Pode-se argumentar, por exemplo, que nossa consciência moral foi selecionada evolutivamente, especialmente à luz do comportamento animal, que é sugestivo de uma “consciência moral” rudimentar. Os chimpanzés exibem o que parece ser medo e vergonha quando fazem algo que viola as regras do seu grupo. Deveríamos concluir que os chimpanzés temem a Deus? Ou é mais provável que tais sentimentos sejam naturais em animais sociais?

Mesmo se concedermos todas as falsas premissas de Lewis, elas não estabelecerão sua conclusão de que a moralidade é objetiva. A uniformidade de uma crença não prova que ela é verdadeira ou indica que ela tem uma fonte externa. O fato de que desejamos fazer coisas que sabemos estarem erradas é dado algum peso por Lewis, mas não está claro por que, porque isso também não requer que a moralidade seja objetiva.
Lewis não considera seriamente as teorias alternativas da moralidade – ele apenas examina duas delas e, mesmo assim, apenas as formulações mais fracas disponíveis. Ele evita cuidadosamente o envolvimento direto com argumentos mais poderosos e substanciais, seja contra a moralidade objetiva ou a favor da moralidade objetiva, que não estão relacionados com o sobrenatural. Há certamente questões legítimas a serem feitas sobre tais teorias, mas Lewis age como se as teorias nem existissem.

Finalmente, Lewis argumenta que os ateus se contradizem quando agem moralmente porque não têm base objetiva para a moralidade. Em vez disso, ele insiste que eles esquecem seu subjetivismo ético e agem como cristãos – que eles tomam emprestado da moralidade do cristianismo sem reconhecê-lo.

Nós ouvimos esse refrão de apologistas cristãos até hoje, mas é um falso argumento. Simplesmente não serve para alegar que alguém “realmente” não acredita no que diz por nenhuma outra razão a não ser contradizer as noções preconcebidas sobre o que é e o que não é plausível. Lewis se recusa a considerar a possibilidade de que o comportamento dos ateus é um sinal de que suas concepções de moralidade estão equivocadas.

Segundo Lewis, “uma crença dogmática no valor objetivo é necessária à própria ideia de uma regra que não é tirania ou uma obediência que não é escravidão”. Isso é polêmico, não um argumento porque Lewis não estabelece que seu tipo de dogmatismo é um pré-requisito para uma sociedade livre – se, de fato, qualquer dogmatismo for necessário.

O argumento de CS Lewis de que a existência de moralidade aponta para a existência de seu deus falha. Primeiro, não foi demonstrado que afirmações éticas só podem ser objetivas se você presumir o teísmo. Houve uma série de esforços para criar teorias naturalistas da ética que de modo algum dependem de deuses. Em segundo lugar, não foi demonstrado que leis morais ou propriedades éticas são absolutas e objetivas. Talvez eles sejam, mas isso não pode ser simplesmente assumido sem discussão.

Terceiro, e se a moral não for absoluta e objetiva? Isso não significa automaticamente que iremos ou deveremos cair na anarquia moral como resultado. Na melhor das hipóteses, talvez tenhamos uma razão prática para acreditar em um deus, independentemente do verdadeiro valor de verdade do teísmo. Isso não estabelece racionalmente a existência de um deus, que é o objetivo de Lewis.

Livraria

O Anticristo
R$ 22

Nietzsche

Além do bem e do mal
R$ 21

Nietzsche

Genealogia da moral
R$ 19

Nietzsche

O mundo de Sofia
R$ 29

Jostein Gaarder

A gaia Ciência
R$ 20

Nietzsche

Nietzsche
R$ 32

Michel Onfray

A revolução dos bichos
R$ 23

George Orwell

Fahrenheit 451
R$ 9

Ray Bradbury