Karl Marx

Karl Marx (5 de maio de 1818 – 14 de março de 1883), economista político, filósofo, sociólogo jornalista e ativista prussiano e autor das obras seminais “O Manifesto Comunista” e “O Capital” influenciou gerações de líderes políticos e pensadores socioeconômicos. Também conhecido como o Pai do Comunismo, as ideias de Marx deram origem a revoluções sangrentas , iniciaram a derrubada de governos seculares e servem de base para sistemas políticos que ainda dominam mais de 20% da população mundial – ou uma em cada cinco pessoas no planeta.

Vida pessoal e educação

Marx nasceu em Trier, na Prússia (atual Alemanha) em 5 de maio de 1818, filho de Heinrich Marx e Henrietta Pressberg. Os pais de Marx eram judeus e ele vinha de uma longa linhagem de rabinos de ambos os lados de sua família. No entanto, seu pai se converteu ao luteranismo para fugir do anti-semitismo antes do nascimento de Marx.

Marx foi educado em casa pelo pai até o colegial e, em 1835, aos 17 anos, matriculou-se na Universidade de Bonn, na Alemanha, onde estudou Direito a pedido de seu pai. Marx, no entanto, estava muito mais interessado em filosofia e literatura.

Naquele primeiro ano na universidade, Marx ficou noivo de Jenny von Westphalen, uma baronesa educada. Eles se casariam mais tarde em 1843. Em 1836, Marx se matriculou na Universidade de Berlim, onde logo se sentiu em casa quando se juntou a um círculo de pensadores brilhantes e radicais que desafiavam instituições e idéias existentes, incluindo religião, filosofia, ética e política. Marx se formou doutor em 1841.

Carreira e exílio

Depois da universidade, Marx se voltou para a escrita e o jornalismo como forma de ganhar a vida. Em 1842, se tornou o editor do jornal liberal Rheinische Zeitung, mas o governo de Berlim proibiu sua publicação no ano seguinte. Marx deixou a Alemanha – para nunca mais voltar – e passou dois anos em Paris, onde conheceu seu colaborador, Friedrich Engels.

No entanto, perseguido fora da França por aqueles no poder que se opuseram às suas ideias, Marx mudou-se para Bruxelas, em 1845, onde fundou o Partido dos Trabalhadores Alemães e era ativo na Liga Comunista. Lá, Marx entrou em contato com outros intelectuais e ativistas de esquerda e – junto com Engels – escreveu sua obra mais famosa, O manifesto do partido comunista. Publicado em 1848, foi concluído com uma frase que se tornaria célebre: “Trabalhadores do mundo, uni-vos! Vocês não têm nada a perder além das correntes.” Depois de ser exilado da Bélgica, Marx finalmente se estabeleceu em Londres, onde viveu como um exilado sem pátria pelo resto de sua vida.

Marx trabalhou como jornalista e escreveu para publicações em língua alemã e inglesa. De 1852 a 1862, foi correspondente do “New York Daily Tribune”, escrevendo um total de 355 artigos. Ele também continuou escrevendo e formulando suas teorias sobre a natureza da sociedade e como ele acreditava que poderia ser melhorada, assim como fazendo campanhas pelo socialismo.

Marx  passou o resto de sua vida trabalhando em um livro de três volumes chamado O Capital, cujo primeiro volume foi publicado em 1867. Neste trabalho, procurou explicar o funcionamento do sistema capitalista. Uma das ideias centrais presentes em sua compreensão desse sistema econômico é a exploração do trabalhador. Segundo ele, no capitalismo um pequeno grupo, que chamava a burguesia, possui os meios de produção e usa seu poder para explorar o proletariado, a classe trabalhadora e que realmente produz os bens que enriqueciam os capitalistas.

Morte e Legado de Marx

Embora Marx tenha sido uma figura relativamente desconhecida enquanto estava vivo, suas idéias e a ideologia do marxismo começaram a exercer uma grande influência sobre os movimentos socialistas logo após sua morte. Ele sucumbiu ao câncer em 14 de março de 1883 e foi enterrado no cemitério de Highgate, em Londres.

As ideias de Marx sobre economia, sociedade, política, religião exerceram e ainda exercem uma grande influência em várias áreas do conhecimento. Ele acreditava que o sistema capitalista era irremediavelmente injusto e estava com os dias contados. Pensava o capitalismo como um sistema de exploração dos trabalhadores pelos capitalistas, mais ou menos como a escravidão é a exploração dos escravos pelos senhores de escravos.

Defendia que a sociedade é governada pela classe dominante. Ou seja, pelo grupo de pessoas que possui maior riqueza. Porém, ao mesmo tempo afirmava que esse domínio não se prolonga por muito tempo na história. Toda sociedade na qual existe desigualdade é marcada pelo conflito de classes. E ao longo da história, é esse conflito que promove a mudança. Isso tudo o levou a pensar que o capitalismo estava com os dias contados. Na medida em que os trabalhadores se organizassem cada vez mais, acabariam por dar um fim a esse sistema econômico injusto e criariam o socialismo.

Sob o socialismo, ele argumentou que a sociedade seria governada pela classe trabalhadora no que ele chamou de “ditadura do proletariado”. Ele acreditava que o socialismo acabaria sendo substituído por uma sociedade sem classes, sem classes, chamada comunismo.

Livraria

O Anticristo
R$ 22

Nietzsche

Além do bem e do mal
R$ 21

Nietzsche

Genealogia da moral
R$ 19

Nietzsche

O mundo de Sofia
R$ 29

Jostein Gaarder

A gaia Ciência
R$ 20

Nietzsche

Nietzsche
R$ 32

Michel Onfray

A revolução dos bichos
R$ 23

George Orwell

Fahrenheit 451
R$ 9

Ray Bradbury