Manifesto comunista – resumo

“O Manifesto Comunista, originalmente conhecido como “O Manifesto do Partido Comunista”, foi publicado por Karl Marx e Friedrich Engels em 1848 e é certamente o manifesto político mais conhecido da história. O texto foi encomendado pela Liga Comunista em Londres e foi publicado originalmente em alemão. Enquanto na época servia como um grito político para o movimento comunista por toda a Europa, hoje ainda é amplamente lido e ensinado porque oferece uma astuta e precoce crítica do capitalismo e suas consequências sociais e culturais. O texto é uma útil introdução à crítica de Marx ao capitalismo, que é apresentada com muito mais profundidade e detalhe no Capital.

História

“O Manifesto Comunista” é o produto do desenvolvimento conjunto de ideias entre Marx e Engels, e enraizado em debates realizados pelos líderes da Liga Comunista em Londres. No entanto, o rascunho final foi escrito apenas por Marx. O texto tornou-se uma influência política significativa na Alemanha e levou Marx a ser expulso do país e a sua mudança permanente para Londres. Foi publicado pela primeira vez em inglês em 1850.

Apesar de sua recepção controversa na Alemanha e seu papel central na vida de Marx, o texto recebeu pouca atenção até a década de 1870, quando Marx assumiu um papel proeminente na Associação Internacional dos Trabalhadores e apoiou publicamente em 1871 a Comuna de Paris e movimento socialista. O texto também capturou mais atenção graças ao seu papel em um julgamento de traição realizado contra os líderes do Partido Social-Democrata da Alemanha. Marx e Engels revisaram e republicaram o texto depois que ele se tornou mais conhecido, o que resultou no texto que conhecemos hoje. Ele tem sido popular e amplamente lido em todo o mundo desde o final do século 19 e continua a servir como base para críticas do capitalismo e como um apelo por sistemas sociais, econômicos e políticos organizados a partir dos ideias de igualdade e democracia, em vez da exploração.

Introdução ao Manifesto

“Um espectro está assombrando a Europa – o espectro do comunismo”.

Marx e Engels começam o manifesto apontando que os que estão no poder em toda a Europa identificaram o comunismo como uma ameaça, o que significa que ele tem o potencial político para mudar a estrutura de poder e o sistema econômico que estava em vigor (o capitalismo). Eles então afirmam que o movimento requer um manifesto e que é isso que o texto pretende fazer.

Parte 1: Burgueses e proletários

“A história de toda a sociedade existente até hoje é a história das lutas de classes”.

Na Parte 1 Do manifesto, Marx e Engels explicam a evolução e o funcionamento da estrutura de classes desigual e exploradora que resultou da ascensão do capitalismo como um sistema econômico. Eles explicam que, enquanto as revoluções políticas derrubaram as hierarquias desiguais do feudalismo, em seu lugar surgiu um novo sistema de classes composto principalmente de uma burguesia (proprietária dos meios de produção) e do proletariado (trabalhadores assalariados). Eles escreveram: “A moderna sociedade burguesa que brotou das ruínas da sociedade feudal não eliminou os antagonismos de classe. Ela apenas estabeleceu novas classes, novas condições de opressão, novas formas de luta no lugar das antigas”.

Marx e Engels explicam que a burguesia fez isso não apenas pelo controle da indústria, o motor econômico da sociedade, mas também porque aqueles dentro dessa classe tomaram o poder estatal criando e controlando o sistema político pós-feudal. Consequentemente, o estado (ou governo) reflete as visões de mundo e interesses da classe burguesa – a minoria rica e poderosa – e não as do proletariado, que são na verdade a maioria da sociedade.

Em seguida, Marx e Engels mostram a cruel realidade exploradora do que acontece quando os trabalhadores são forçados a competir entre si e a vender seu trabalho aos donos do capital. Uma consequência importante do capitalismo é a eliminação de outros tipos de laços sociais que costumavam unir as pessoas na sociedade. Os trabalhadores são meras mercadorias – descartáveis ​​e facilmente substituíveis.

Eles afirmam que, como o capitalismo tem como premissa o crescimento, o sistema engole todas as pessoas e sociedades do mundo. À medida que o sistema cresce, expande e evolui seus métodos e relações de produção, propriedade e, portanto, riqueza e poder estão cada vez mais centralizados dentro dele.

Marx e Engels defendem que à medida que o capitalismo se desenvolve, a propriedade e a riqueza se concentram e as condições de exploração dos trabalhadores assalariados só pioram.

Porém, tudo isso levará inevitavelmente à revolta. Eles observam que, de fato, essa revolta já está fomentando; a ascensão do partido comunista é um sinal disso. Marx e Engels concluem esta seção com este anúncio:

“O que a burguesia produz, portanto, acima de tudo, seus próprios coveiros. Sua queda e a vitória do proletariado são igualmente inevitáveis”.

Parte 2: Proletários e Comunistas

“Em lugar da velha sociedade burguesa, com suas classes e antagonismos de classe, teremos uma associação na qual o livre desenvolvimento de cada um é a condição para o livre desenvolvimento de todos”.

Nesta seção, Marx e Engels explicam o que exatamente o Partido Comunista quer para a sociedade. Eles começam apontando que o Partido Comunista não é um partido político como qualquer outro, porque não representa uma facção particular de trabalhadores. Pelo contrário, representa os interesses dos trabalhadores (o proletariado) como um todo. Esses interesses são moldados pelos antagonismos de classe criados pelo capitalismo e pelo governo da burguesia e transcendem as fronteiras nacionais.

Eles explicam, claramente, que o Partido Comunista procura transformar o proletariado em uma classe coesa, com interesses de classe claros e unificados, para derrubar o domínio da burguesia e para aproveitar e redistribuir o poder político. O ponto crucial para se conseguir isso, Marx e Engels explicam, é a abolição da propriedade privada, que é o manifesto do capital e a essência da acumulação de riqueza.

Para eles, a propriedade privada só beneficia a burguesia em uma sociedade capitalista. Todo mundo tem pouco ou nenhum acesso a ela e sofre sob seu reinado.

Então, Marx e Engels afirmam os dez objetivos do Partido Comunista:

  1. Expropriação da propriedade fundiária e emprego da renda da terra para despesas do Estado.
  2. Impostos fortemente progressivos.
  3. Abolição do direito de herança.
  4. Confisco da propriedade de todos os emigrados e rebeldes.
  5. Centralização do crédito nas mãos do Estado por meio de um banco nacional com capital do Estado e com monopólio exclusivo.
  6. Centralização de todos os meios de comunicação e transporte nas mãos do Estado.
  7. Multiplicação das fábricas nacionais e dos instrumentos de produção, arroteamento das terras incultas e melhoramento das terras cultivadas, segundo um plano geral.
  8. Unificação do trabalho obrigatório para todos, organização de exércitos industriais, particularmente para a agricultura.
  9. Unificação dos trabalhos agrícola e industrial; abolição gradual da distinção entre cidade e o campo por meio de uma distribuição mais igualitária da população pelo país.
  10. Educação pública e gratuita a todas as crianças; abolição do trabalho das crianças nas fábricas, tal como é praticado hoje. Combinação da educação com a produção material etc.

Embora muitas dessas políticas despertem preocupação e resistência ou sejam claramente fracassadas se considerarmos os países socialistas já criados, outras acabaram se tornando parte daquilo que consideramos uma sociedade civilizada. Quem seria contra, hoje, por exemplo, à última das propostas, de educação gratuita.

Parte 3: Literatura Socialista e Comunista

Na Parte 3, Marx e Engels apresentam uma visão geral de três diferentes tipos de literatura socialista, ou críticas da burguesia, que existiam em sua época, a fim de fornecer contexto para o Manifesto. Entre elas estão o socialismo reacionário, o socialismo conservador ou burguês e o socialismo ou comunismo crítico-utópico. Eles explicam que o primeiro tipo é voltado para trás e procura retornar a algum tipo de estrutura feudal, ou procura na verdade preservar a sociedade como ela está e é, na verdade, contrário aos objetivos do Partido Comunista.

O segundo, socialismo conservador ou burguês, é o produto de membros da burguesia espertos o suficiente para saber que é preciso tratar de algumas queixas do proletariado para manter o sistema como ele é. Marx e Engels observam que economistas, filantropos, humanitaristas, aqueles que administram instituições de caridade e muitos outros “benfeitores” defendem e produzem essa ideologia específica, que procura fazer pequenos ajustes no sistema ao invés de modificá-lo.

O terceiro tipo está preocupado em oferecer verdadeiras críticas à estrutura de classes e estrutura social, e uma visão do que poderia ser, mas sugere que o objetivo deveria ser criar sociedades novas ao invés de lutar para reformar a existente, então também opõe-se a uma luta coletiva do proletariado.

Parte 4: Posição dos comunistas em relação aos vários partidos de oposição existentes

Na seção final, Marx e Engels ressaltam que o Partido Comunista apoia todos os movimentos revolucionários que desafiam a ordem social e política existente e fecham o Manifesto com um apelo à unidade entre o proletariado com o seu famoso grito de guerra, “Trabalhadores do mundo, uni-vos!”

Referências

Marx, Karl; Engel, Friedrich. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2005.

Livraria

O Anticristo
R$ 22

Nietzsche

Além do bem e do mal
R$ 21

Nietzsche

Genealogia da moral
R$ 19

Nietzsche

O mundo de Sofia
R$ 29

Jostein Gaarder

A gaia Ciência
R$ 20

Nietzsche

Nietzsche
R$ 32

Michel Onfray

A revolução dos bichos
R$ 23

George Orwell

Fahrenheit 451
R$ 9

Ray Bradbury