Valor de uso e valor de troca

Para Marx, todo produto criado pelo trabalho humano tem valor de uso e valor de troca no capitalismo. Uma casa, uma televisão, a comida, um livro, tudo isso tem um valor de uso e um valor de troca.

O valor de uso é definido pela capacidade de satisfazer necessidades humanas. Assim, uma casa tem valor de uso porque temos necessidade de nos abrigar, a comida porque precisamos nos alimentar e assim com todos os produtos criados pelo trabalho humano. O valor de uso, portanto, depende da utilidade do produto. Se criarmos algo que não tenha qualquer utilidade (é bem difícil imaginar algo dessa natureza), então esse objeto não tem valor de uso.

Todo produto com um valor de uso também tem um valor de troca. Esse valor, por sua vez, é definido pela quantidade de um produto que é possível conseguir em troca de uma certa quantidade de outro produto. Vamos ver um exemplo. Suponha que você tem 2 quilos de carne e deseja trocar essa carne por feijão. Você encontra alguém que aceita trocar seus 2 quilos de carne por 20 quilos de feijão. Esse é o valor de troca da carne pelo feijão. Geralmente o valor de troca de um produto é expresso em valor monetário. Assim, 2 quilos de carne valem 30 reais enquanto que o quilo de feijão vale três. Esses são seus valores de troca.

Qual a relação entre valor de uso e valor de troca? Qual a origem do valor de troca? Embora possa parecer à primeira vista que o valor de troca depende do valor de uso, isso não é verdade. Basta considerarmos um exemplo simples: um colchão de última tecnologia e 5 quilos de carne. A carne tem mais utilidade que um colchão de última tecnologia. Podemos muito bem dormir sobre a grama ou no chão. Porém não podemos ficar sem nos alimentarmos.

Se o valor de troca não é definido pela utilidade de um produto, qual sua origem? Para Marx, a resposta era: do trabalho. Para esse pensador, a única fonte de valor é o trabalho. E o valor de troca de um produto depende, em grande medida, da quantidade de trabalho despendida na sua produção. Voltemos ao exemplo da carne e do colchão. É bastante claro que o tempo trabalho necessário para produzir 5 quilos de carne é muito menor do que o necessário para produzir um colchão de alta tecnologia. Por essa razão, terá um valor de troca muito maior.

O valor de troca, assim, representa a quantidade de trabalho necessária para produzir um produto qualquer. Quanto maior a quantidade de trabalho necessário, maior o valor; quanto menor o trabalho necessário, menor o valor.

Referências

Hunt, E. K. História do pensamento econômico. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.