Determinismo

O determinismo é uma concepção filosófica segundo a qual todos os acontecimentos são determinados por acontecimentos anteriores e pelas leis da natureza. E por isso, o ser humano não possui liberdade.

Para esclarecer essa definição, é importante que esteja claro o significado de “acontecimento” e “determinado”.

Em primeiro lugar, “acontecimento”, nesse contexto, deve ser entendido da maneira mais abrangente possível. Um trovão ou o movimento da terra, por exemplo, é um acontecimento, assim como uma ação humana (almoçar, por exemplo), uma crença (acreditar que irá chover no dia seguinte, por exemplo) ou um desejo (querer comer feijão e arroz no almoço). Todos esses exemplos são acontecimentos no sentido em que a palavra é usada nessa definição.

Em segundo lugar, dizer que todos os acontecimentos são determinados por causas anteriores, nesse sentido, é dizer que eles não poderiam ter sido diferentes, dado as causas que os precederam e as leis da natureza.

Vamos considerar um exemplo. Mário está jogando bilhar. Usando o taco, bate em uma das bolas de bilhar (1) e esta começa a se mover, batendo em outra bola (2) que então passa a se mover. O que temos aqui é uma sequência de acontecimentos relacionados de maneira causal. Podemos dizer que o movimento da bola 2 foi determinado pelo movimento da bola 1 que por sua vez foi determinado pela ação de Mário. E dizer que o movimento da bola 2 foi determinado significa dizer que ele não poderia ser diferente. Ou seja, é impossível que, tudo sendo igual, a bola 2 ficasse parada, ou se movesse na direção contrária com o contato da bola 1, porque as mesmas causas devem produzir os mesmos efeitos.

determinismo

Exemplo de sequência de causa e efeito determinista. Com o contato da bola 1, segundo o determinismo, único resultado possível é o movimento da bola 2. Esse mesmo contato não poderia, num mundo determinista, gerar um resultado diferente.

Determinismo e liberdade de ação

Dizer que todos os acontecimentos são determinados não irá causar muita polêmica. Em geral, vemos a natureza de maneira determinista. Não consideramos razoável pensar que, de uma hora pra outra, com as mesmas leis da natureza e causas comuns atuando, passássemos a ver bolas de bilhar fazendo movimentos excêntricos quando tocadas. Não esperamos ver elas dando giros no ar durante longos minutos quanto tocadas de leve, nem tampouco que comecem a se mover pela mesa aos pulos, como um animal saltitante.

Porém, quando aplicamos essa mesma concepção às ações humanas, e dizemos que todas as ações são determinadas por causas anteriores e, dadas essas causas, não poderiam ser diferentes, a conclusão lógica é negar que os seres humanos possuem livre-arbítrio.

Vamos analisar um exemplo para entender melhor essa conclusão.

Imagine o seguinte cenário. Um motorista qualquer está no trânsito, no final da tarde, preso em um engarrafamento. Como tem medo de ser assaltado, sempre anda com uma arma no carro, já que no país onde vive isso é permitido por lei. Nesse momento, ele estava sentindo muita raiva em função de questões pessoais e profissionais. Além disso, desde muito jovem tem uma facilidade grande para se exaltar, se ofender e entrar em conflitos com outras pessoas. Num determinado momento, outro motorista o ofende, ele revida, ambos discutem, ele usa sua arma e comete um assassinato passional.

De acordo com o determinismo, o motorista não tem livre-arbítrio ao cometer esse assassinato ou qualquer uma de suas ações. Isso porque, dado as circunstâncias e toda a série de causas que o afetou até o momento, ele não poderia ter agido de maneira diferente. Ou seja, se outra pessoa, que fosse exatamente igual ao motorista, com as mesmas experiências, mesmo histórico de vida, mesmo código genético etc., se encontrasse nessa mesma circunstância também teria cometido o assassinato.

Ou, de outra forma, se em um universo paralelo, exatamente igual a esse, esse mesmo motorista se encontrasse nessa mesma circunstância, ele não poderia ter agido de maneira diferente. Por que a natureza é determinista e as mesmas causas produzem os mesmos efeitos. Da mesma forma que, no exemplo anterior, é impossível que, tudo sendo igual, a bola 2 ficasse parada, ou se movesse na direção contrária com o contato da bola 1, é impossível que, tudo sendo igual, o motorista em questão não cometa o assassinato.

Resumo

O determinismo, portanto, é uma concepção metafísica sobre a natureza do mundo em geral e do ser humano em particular. Em resumo, de acordo com essa concepção, todos os eventos e acontecimento do mundo (incluindo ações e pensamentos dos seres humanos) são determinados por acontecimentos anteriores. Como consequência, é necessário reconhecer que o ser humano não possui livre-arbítrio e que a sensação de liberdade de escolha não passa de uma ilusão.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *