Um advogado determinista

Um bom exemplo da negação da responsabilidade moral dos deterministas pode ser encontrado em uma estratégia de defesa de Clarence Darrow (1857-1938), uma das mais famosas entre os advogados criminais dos EUA. Em um caso célebre, Darrow defendeu dois adolescentes acusados de assassinarem um Menino de 14 anos. Os assassinos confessos foram Nathan Leopold Jr. (19 anos) e Richard Loeb (18 anos). Ambos vieram de famílias abastadas de Chicago e eram estudantes brilhantes. Leopold já havia se formado na Universidade de Chicago e Loeb na Universidade de Michigan. O assassinato foi o resultado de uma “experiência” intelectual em que eles tentaram cometer o crime perfeito. Quando eles foram capturados, um público indignado exigiu a pena de morte. No entanto, Clarence Darrow argumentou que os dois meninos eram as vítimas indefesas de sua hereditariedade e meio ambiente. Assim, eles não eram mais responsáveis por seu crime, ele disse, do que pela cor dos olhos. Depois que Darrow falou por 12 horas apresentando seus argumentos finais, o silêncio do tribunal foi quebrado apenas pelo choro do juiz. O júri foi convencido por seus argumentos e escolheu como punição para os meninos a prisão perpétua. A passagem a seguir é um trecho do argumento de Darrow. Encontre as frases que indicam que Darrow era um determinista.

Texto

Eu não sei o que fez esses garotos fazer isso, mas sei que há uma razão para isso. Eu sei que eles não criaram a si mesmos. Sei que qualquer uma de um número infindável de causas, que remontam ao começo de suas vidas, podem estar trabalhando nas mentes desses rapazes.

A natureza é forte e ela é impiedosa. Ela trabalha do seu jeito misterioso e somos suas vítimas.

O que levou esse menino a fazer isso? Ele não era seu próprio pai; ele não era sua mãe; ele não era seus próprios avós. Tudo isso foi entregue a ele. Ele não se cercou de governos e riqueza. Ele não se fez. E ainda assim ele deve ser obrigado a pagar….

Eu sei que uma das duas coisas aconteceu com Richard Loeb: que esse crime terrível era inerente ao seu organismo e veio de algum ancestral; que ele veio através de sua educação e seu treinamento depois que ele nasceu….

Acreditar que qualquer menino é responsável por si ou por seu treinamento inicial é um absurdo que nenhum advogado ou juiz deve ser culpado hoje. De alguma forma isso chegou ao menino. Se a sua falha veio de sua hereditariedade, eu não sei onde ou como. Nenhum de nós é criado perfeito e puro; e a cor dos nossos cabelos, a cor de nossos olhos, nossa estatura, o peso e perfeição de nosso cérebro, e tudo sobre nós poderia, com pleno conhecimento, ser traçado com absoluta certeza em algum lugar, seja nossa educação, seja nossa hereditariedade.

Todo esforço para proteger a sociedade é um esforço para educar os jovens para se manterem no caminho. Toda a educação no mundo prova isso, e da mesma forma prova que às vezes falha. Eu sei que se esse menino tivesse sido adequadamente entendido e devidamente educado – com uma educação apropriada para ele –  ele poderia ter sido muito bom para alguém; mas se tivesse sido educado da maneira adequada para ele, não estaria neste tribunal hoje com a corda no pescoço. Se há responsabilidade em qualquer lugar, está em volta dele; em algum lugar no número infinito de seus ancestrais, ou em seu entorno, ou em ambos. E eu acredito, Meritíssimo, que sob todo princípio de justiça natural, sob todo princípio de consciência, de direito, ninguém deveria ser responsabilizado pelos atos de outra pessoa.