Argumento dedutivo

Antes de conhecer o significado de argumento dedutivo do ponto de vista lógico, é importante esclarecer um ponto. Provavelmente você tem um palpite sobre o que significa dedução, porque já ouviu frases como “disso posso deduzir que…”, “ele deduziu que…”, nas quais o verbo “deduzir” era usado. Essa é uma forma evidentemente correta de usar o conceito, porém na lógica, quando falamos de argumento dedutivo, estamos falando de algo um pouco diferente. Então é bom deixar de lado um pouco o uso comum de “deduzir” para compreender com mais facilidade o conceito de argumento dedutivo.

Um argumento dedutivo é aquele no qual as premissas se seguem necessariamente da conclusão. Isso quer dizer que, se as premissas forem verdadeiras, a conclusão também será verdadeira. Não existe a menor possibilidade de que a conclusão acabe se revelando falsa. Esse é o tipo mais forte de argumento que existe. Pois é impossível discordar de um argumento dedutivo. Se seu interlocutor aceita as premissas do seu argumento, deverá aceitar também a conclusão

Esse é um exemplo clássico de argumento dedutivo:

Premissa 1: Todo homem é mortal

Premissa 2: Sócrates é homem

Conclusão: Sócrates é mortal

O exemplo acima é um argumento dedutivo porque é impossível que a conclusão seja falsa se as premissas forem verdadeiras. Ou seja, se todos os homens são mortais e Sócrates é um homem, ele também deve ser mortal.

É comum dizer dos argumentos dedutivos que a conclusão já está contida, de maneira implícita, nas premissas. Ao tirarmos uma conclusão de forma dedutiva, o que estamos fazendo é tornar explícita a informação já presente nas premissas. Considere mais uma vez o exemplo acima. A conclusão “Sócrates é mortal” já estava presente, de forma subentendida, na informação contida nas premissas do argumento.

O que define um argumento dedutivo de forma inconfundível é o fato de ser o único tipo de argumento que gera certeza absoluta. Os demais argumentos, tais como argumentos por analogia, indutivos, de autoridade, são argumentos cujas premissas justificam com certa probabilidade a conclusão. Porém, mesmo tendo premissas verdadeiras, as conclusões desses argumentos ainda podem se mostrar falsas. O mesmo não acontece com os argumentos dedutivos.

Alguns exemplos de argumentos dedutivos

Argumento 1

Premissa 1: Os gatos são membros da família dos felinos.Premissa 2: Todos os felinos são carnívoros.

Conclusão: Portanto, todos os gatos são felinos.

Esse é um argumento dedutivo? Por quê?

Esse é um argumento dedutivo, porque é impossível que as premissas sejam verdadeiras e, ao mesmo tempo, a conclusão falsa. Se você aceita que a primeira e a segunda premissas são verdadeiras, terá que concordar com a conclusão.

Argumento 2

Premissa 1: A placa na torre inclinada de Pisa diz que Galileu realizou experimentos lá analisando a queda de objetos.

Conclusão: Deve ser o caso de Galileu ter realmente realizar essas experiências lá.

Esse é um argumento dedutivo? Por quê?

Esse não é um argumento dedutivo, porque a premissa não garante com absoluta certeza a verdade da conclusão. Mesmo que seja verdade que a placa da torre informe isso, essa informação pode ser falsa e, portanto, a conclusão também pode ser falsa. Há grande probabilidade de a conclusão do argumento ser verdadeira, mas não é uma certeza absoluta, como exige um argumento dedutivo.

Argumento 3

Contrariamente à noção comum de que as mulheres tendem a ser tagarelas em comparação com homens, existe pouca diferença entre os sexos em termos de discursividade. Em um período de cinco anos, pesquisadores colocaram microfones discretos em 396 faculdade,  em vários campus universitários no México, bem como nos Estados Unidos. Eles descobriram que homens e mulheres falaram cerca de 16.000 palavras por dia.

(Richard T. Schaefer, Sociology: A Brief Introduction, 8th ed.)

Esse é um argumento dedutivo? Por quê?

Esse não é um argumento dedutivo porque as premissas garantem a conclusão apenas com certa probabilidade. A pesquisa usada para justificar a conclusão de que “existe pouca diferença entre os sexos em termos de discursividade”, embora abrangente, não é suficiente para garantir absoluta certeza de que seja verdadeira. A pesquisa foi feita no México e nos Estados Unidos, de modo que talvez as mulheres brasileiras sejam mais tagarelas que os homens brasileiros. A pesquisa foi feita com o público universitário, que geralmente é mais jovem. Talvez as mulheres com mais de trinta anos sejam mais tagarelas que os homens.

Enfim, é possível que a premissa desse argumento seja verdadeira e, ainda assim, a conclusão seja falsa. O que faz com esse não seja um argumento dedutivo. Na verdade, esse é um argumento chamado na lógica de indutivo.

Argumento 4

Premissa 1: Se venta muito, então faz frio

Premissa 2: Se faz frio, então fico resfriado

conclusão: Se venta muito, então fico resfriado

Esse é um argumento dedutivo? Por quê?

Esse é um argumento dedutivo, porque, como em todos os casos de argumentos dedutivo, a conclusão se segue com certeza das premissas.

Referências

Velasco, Patrícia Del Nero. Educando para a argumentação: contribuições do ensino da lógica. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

Walton, Douglas N. Lógica Informal: manual de argumentação crítica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

Livraria

O Anticristo
R$ 22

Nietzsche

Além do bem e do mal
R$ 21

Nietzsche

Genealogia da moral
R$ 19

Nietzsche

O mundo de Sofia
R$ 29

Jostein Gaarder

A gaia Ciência
R$ 20

Nietzsche

Nietzsche
R$ 32

Michel Onfray

A revolução dos bichos
R$ 23

George Orwell

Fahrenheit 451
R$ 9

Ray Bradbury