Argumentos dedutivos e indutivos | Filosofia na Escola

Argumentos dedutivos e indutivos

Na análise de argumentos feita pela lógica, os argumentos podem ser separados em duas categorias: dedutivos e indutivos. Os primeiros são estudados pela lógica formal e os últimos pela lógica informal.

O que é um argumento dedutivo?

Um argumento dedutivo é aquele em que, se as premissas forem verdadeiras, a conclusão será necessariamente verdadeira. Em outras palavras, é impossível que as premissas sejam verdadeiras e a conclusão falsa. Assim, a conclusão se segue necessariamente das premissas. Desta forma, uma premissa verdadeira deve levar a uma prova definitiva da verdade da conclusão. Aqui está um exemplo clássico:

Sócrates era um homem (premissa)

Todos os homens são mortais (premissa).

Sócrates é mortal (conclusão)

Como você pode ver, se as premissas são verdadeiras (e são), então simplesmente não é possível que a conclusão seja falsa. Se você tem um argumento dedutivo corretamente formulado e aceita a verdade das premissas, então deve aceitar também a verdade da conclusão. Se você a rejeitar, estará caindo em contradição, é como se estivesse dizendo que “Sócrates, ao mesmo tempo, é e não é mortal”.

O que é um argumento indutivo?

Um argumento indutivo é aquele em que as premissas oferecem forte suporte para uma conclusão, mas que não a garantem totalmente. Este é um argumento no qual as premissas apoiam a conclusão de tal maneira que se as premissas são verdadeiras, é improvável que a conclusão seja falsa. Assim, a conclusão se segue provavelmente a partir das premissas. Aqui está um exemplo:

Sócrates era grego (premissa).

A maioria dos gregos come peixe (premissa).

Sócrates comeu peixe (conclusão).

Neste exemplo, mesmo que ambas as premissas sejam verdadeiras, ainda é possível que a conclusão seja falsa (talvez Sócrates fosse alérgico a peixe, por exemplo). Expressões que tendem a caracterizar um argumento como indutivo – e, portanto, probabilístico e não necessário – incluem palavras como provavelmente, provável, possivelmente e razoavelmente.

Diferença entre argumentos dedutivos e argumentos indutivos

Resumindo o que foi dito até aqui:

  • argumentos dedutivos têm a conclusão necessariamente verdadeira, se as premissas forem verdadeiras;
  • argumentos indutivos têm a conclusão provavelmente verdadeira, se as premissas forem verdadeiras.

Além disso, existe outra diferença fundamental entre eles. Nos argumentos dedutivos, nossas conclusões já estão contidas, mesmo que implicitamente, em nossas premissas. Isso significa que um argumento dedutivo não oferece oportunidade de chegar a novas informações – na melhor das hipóteses, são evidenciadas informações que estavam obscurecidas ou não reconhecidas nas premissas. Assim, a natureza certa, que preserva a verdade, dos argumentos dedutivos vem à custa da expansão do conhecimento. Isso fica claro exemplo acima de argumento dedutivo. De certa forma, estava implícito nas premissas a conclusão de que Sócrates é mortal.

Argumentos indutivos, por outro lado, tiram conclusões que vão além daquilo que já está dito nas premissas e isso nos permite expandir nosso conhecimento do mundo. São os raciocínios indutivos que está por trás da ciência, por exemplo. A lei de Newton que diz que “dois corpos atraem-se com força proporcional às suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que separa seus centros de gravidade” é a conclusão de um raciocínio indutivo.