Nietzsche

O influente filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) é conhecido por seus escritos sobre o bem e o mal, o fim da religião na sociedade moderna e o conceito de “super-homem”.

Sinopse

O filósofo Friedrich Nietzsche nasceu em 15 de outubro de 1844, em Röcken bei Lützen, Alemanha. Em sua carreira brilhante, mas relativamente breve, publicou numerosas obras importantes de filosofia, incluindo Crepúsculo dos Ídolos e Assim falou Zaratustra. Na última década de sua vida, sofreu de insanidade; morreu em 25 de agosto de 1900. Seus escritos sobre individualidade e moralidade na civilização contemporânea influenciaram muitos dos principais pensadores e escritores do século XX.

Primeiros anos e educação

Friedrich Wilhelm Nietzsche nasceu em 15 de outubro de 1844, em Röcken bei Lützen, uma pequena aldeia na Prússia (parte da atual Alemanha). Seu pai, Carl Ludwig Nietzsche, era um pregador luterano; ele morreu quando Nietzsche tinha 4 anos de idade. Nietzsche e sua irmã mais nova, Elisabeth, foram criados por sua mãe, Franziska.

Nietzsche frequentou uma escola preparatória particular em Naumburg e depois recebeu uma educação clássica na prestigiosa escola de Schulpforta. Depois de se formar em 1864, ele frequentou a Universidade de Bonn por dois semestres. Ele se transferiu para a Universidade de Leipzig, onde estudou filologia, uma combinação de literatura, linguística e história. Ele foi fortemente influenciado pelos escritos do filósofo Arthur Schopenhauer. Durante seu tempo em Leipzig, ele começou uma amizade com o compositor Richard Wagner, cuja música ele admirava muito.

Ensinando e escrevendo na década de 1870

Em 1869, Nietzsche assumiu um cargo de professor de filologia clássica na Universidade de Basiléia, na Suíça. Durante sua cátedra, publicou seus primeiros livros, O nascimento da tragédia (1872) e Humano, demasiado humano (1878). Ele também começou a se distanciar da erudição clássica, bem como dos ensinamentos de Schopenhauer, e a se interessar mais pelos valores subjacentes à civilização moderna. A essa altura, sua amizade com Wagner havia se deteriorado. Sofrendo de um distúrbio nervoso, ele demitiu-se de seu posto em em 1879.

Trabalho literário e filosófico da década de 1880

Durante grande parte da década seguinte, Nietzsche viveu em reclusão, mudando da Suíça para a França e para a Itália, quando não estava hospedado na casa da mãe em Naumburg. No entanto, este foi também um período altamente produtivo para ele como pensador e escritor. Um de seus trabalhos mais significativos, Assim Falou Zaratustra, foi publicado em quatro volumes entre 1883 e 1885. Ele também escreveu Além do Bem e do Mal (publicado em 1886), A Genealogia da Moral (1887) e Crepúsculo dos Ídolos (1889).

Nessas obras da década de 1880, Nietzsche desenvolveu os pontos centrais de sua filosofia. Uma delas foi sua famosa declaração de que “Deus está morto”, uma rejeição do cristianismo como uma força significativa na vida contemporânea. Outros eram o seu endosso à auto-perfeição através do impulso criativo e uma “vontade de poder”, e seu conceito de “super-homem” ou “homem-over” (Übermensch), um indivíduo que se esforça para existir além das categorias convencionais do bem. e mal, mestre e escravo.

Declínio e anos posteriores

Nietzsche sofreu um colapso em 1889, enquanto vivia em Turim, na Itália. A última década de sua vida foi passada em um estado de doença mental. A razão para sua insanidade ainda é desconhecida, embora os historiadores a tenham atribuído a causas tão variadas quanto a sífilis, uma doença cerebral hereditária, um tumor e o uso excessivo de drogas sedativas. Depois de uma estadia em um asilo, Nietzsche foi cuidado por sua mãe em Naumburg e sua irmã em Weimar, na Alemanha. Ele morreu em Weimar em 25 de agosto de 1900.

Alguns conceitos fundamentais do pensamento de Nietzsche

Legado e Influência

Nietzsche é considerado uma grande influência na filosofia, teologia e arte do século XX. Suas idéias sobre individualidade, moralidade e significado da existência contribuíram para o pensamento dos filósofos Martin Heidegger, Jacques Derrida e Michel Foucault; Carl Jung e Sigmund Freud, duas das figuras fundadoras da psiquiatria; e escritores como Albert Camus, Jean-Paul Sartre, Thomas Mann e Hermann Hesse.

Certos aspectos do trabalho de Nietzsche foram usados ​​pelo partido nazista dos anos 1930-40 como justificativa para suas atividades; este uso seletivo e enganoso de seu trabalho obscureceu um pouco sua reputação para o público posterior.