O conceito de Nietzsche de “vontade de poder”

A vontade de poder é um conceito central na filosofia do filósofo alemão do século XIX Friedrich Nietzsche. Mas o que, exatamente, ele quer dizer com a vontade de poder?

Origens da Ideia

Aos vinte e poucos anos, Nietzsche leu O Mundo como Vontade e Representação, de Arthur Schopenhauer (1788-1860), e caiu sob seu feitiço. Schopenhauer ofereceu uma visão profundamente pessimista da vida, e no centro dela estava a ideia de que uma força cega, incessante e irracional que ele chamava de “Vontade”, constituía a essência dinâmica do mundo. Esta vontade cósmica manifesta-se ou expressa-se através de cada indivíduo na forma do impulso sexual e da “vontade de viver” que pode ser vista em toda a natureza. É a fonte de muita miséria, uma vez que é essencialmente insaciável. A melhor coisa que se pode fazer para reduzir o sofrimento é encontrar maneiras de acalmá-lo. Esta é uma das funções da arte.

Em seu primeiro livro, O nascimento da tragédia, Nietzsche postula o que ele chama de impulso “dionisíaco” como a fonte da tragédia grega. Como a Vontade de Schopenhauer, é uma força irracional que surge de origens sombrias e se expressa em frenéticos bêbados selvagens, gozo sexual e festivais de crueldade. Sua noção posterior da vontade de poder é significativamente diferente, mas retém algo dessa idéia de uma força inconsciente profunda, pré-racional, que pode ser aproveitada e transformada para criar algo belo.

A vontade de poder como um princípio psicológico

Nos primeiros trabalhos como Humano Demasiado Humano Aurora, Nietzsche dedica muita atenção à psicologia. Ele não fala explicitamente sobre uma “vontade de poder”, mas de vez em quando ele explica aspectos do comportamento humano em termos de um desejo de dominação ou domínio, sobre os outros, o eu ou o ambiente. Em The Gay Science (1882), ele começa a ser mais explícito, e em Assim falou Zaratustra começa a usar a expressão “vontade de poder”.

Pessoas não familiarizadas com os escritos de Nietzsche podem estar inclinados a interpretar a idéia da vontade de poder de forma grosseira. Mas Nietzsche não está pensando apenas ou mesmo principalmente nas motivações por trás de pessoas como Napoleão ou Hitler, que buscam expressamente poder militar e político. De fato, ele geralmente aplica a teoria de maneira bastante sutil.

Por exemplo, o aforismo 13 da Gaia Ciência é intitulado “Sobre a teoria do sentimento de poder.” Nietzsche afirma aqui que exercemos o poder sobre as outras pessoas, beneficiando-as e prejudicando-as. Quando provocamos sofrimento, fazemos com que as pessoas  sintam o poder de uma forma crua, e também uma maneira perigosa, uma vez que elas podem tentar se vingar. Fazer alguém ficar em dívida conosco geralmente é uma maneira preferível de sentir nosso próprio pode. Nietzsche, de fato, argumenta que causar dor é geralmente menos agradável do que mostrar gentileza e é, de fato, um sinal de que alguém não tem poder, pois é a opção inferior.

A vontade de poder e os julgamentos de valor de Nietzsche

A vontade de poder, como Nietzsche concebe, não é nem boa nem má. É uma unidade básica encontrada em todos, mas que se expressa de muitas maneiras diferentes. O filósofo e o cientista dirigem sua vontade de poder para uma vontade de verdade. Os artistas canalizam isso para um desejo de criar. Os empresários satisfazem isso ao se tornarem ricos.

Em Genealogia da moral (1887), Nietzsche contrasta a “moralidade do senhor” e a “moralidade do escravo”, mas remonta ambos à vontade de poder. Criar conjuntos de valores, impondo-lhes às pessoas e julgando o mundo de acordo com elas, é uma expressão notável da vontade de poder. E essa ideia está subjacente à tentativa de Nietzsche de compreender e avaliar os sistemas morais. O tipo forte, saudável e magistral, impõe seus valores diretamente ao mundo. Os fracos, por outro lado, procuram impor seus valores de uma maneira mais astuta e indireta, fazendo com que os indivíduos fortes se sintam culpados por sua saúde, força, egoísmo e orgulho em si mesmos.

Assim, embora a vontade de poder em si não seja boa nem má, Nietzsche prefere claramente algumas maneiras pelas quais ela se expressa à outras. Ele não defende a busca do poder. Em vez disso, ele elogia a sublimação da vontade de poder na atividade criativa. Grosso modo, ele elogia aquelas expressões que considera viáveis, belas e afirmativas, e critica expressões de vontade de poder que ele vê como feias ou nascidas da fraqueza.

Uma forma particular de vontade de poder a que Nietzsche dedica muita atenção é o que ele chama de “auto-superação”. Aqui a vontade de poder é atrelada e direcionada para o autodomínio e a autotransformação, guiada pelo princípio de que “O seu verdadeiro eu não está no fundo de você, mas acima de você.” Presumivelmente, o “Übermensch” ou “Super-homem” de que fala Zaratustra seria capaz disso ao mais alto grau.

Nietzsche e Darwin

Na década de 1880, Nietzsche leu e parece ter sido influenciado por vários teóricos alemães que criticaram o relato de Darwin sobre como ocorre a evolução. Em vários lugares, ele contrasta a vontade de poder com a “vontade de sobreviver”, que ele parece pensar ser a base do darwinismo. Na verdade, porém, Darwin não postula vontade de sobreviver. Em vez disso, ele explica como as espécies evoluem devido à seleção natural na luta pela sobrevivência.

A vontade de poder como um princípio biológico

Às vezes, Nietzsche parece postular a vontade de poder como algo mais do que apenas um princípio que leva à compreensão das profundas motivações psicológicas dos seres humanos. Por exemplo, Zaratustra diz: “Onde quer que encontrei uma coisa viva, encontrei a vontade de poder”. Aqui, a vontade de poder é aplicada ao reino biológico. E em um sentido bastante direto, pode-se entender um evento simples como um peixe grande comendo um peixinho como uma forma da vontade de poder; o peixe grande está assimilando parte de seu ambiente para si mesmo.

A vontade de poder como um princípio metafísico

Nietzsche planejou um livro intitulado “A vontade de poder”, mas nunca publicou um livro com este nome. Após sua morte, no entanto, sua irmã Elizabeth publicou uma coletânea de notas inéditas, organizadas e editadas por ela mesma, intitulada A Vontade de Poder. Algumas seções deixam claro que Nietzsche levou a sério a idéia de que a vontade de poder poderia ser postulada como um princípio fundamental a ser encontrado operando em todo o cosmos. A seção 1067, a última seção do livro, e cujo estilo é claramente polido, resume a maneira de pensar de Nietzsche sobre o mundo como “um monstro de energia, sem começo, sem fim … meu mundo dionisíaco da eternamente auto-criadora, o eternamente auto-destrutivo …” E conclui:

Você quer um nome para este mundo? Uma solução para todos os seus enigmas? Este mundo é a vontade de poder – e nada além disso! E vocês também são essa vontade de poder – e nada além disso!

Traduzido de Nietzsche’s Concept of ‘The Will to Power’

Livraria

O Anticristo
R$ 22

Nietzsche

Além do bem e do mal
R$ 21

Nietzsche

Genealogia da moral
R$ 19

Nietzsche

O mundo de Sofia
R$ 29

Jostein Gaarder

A gaia Ciência
R$ 20

Nietzsche

Nietzsche
R$ 32

Michel Onfray

A revolução dos bichos
R$ 23

George Orwell

Fahrenheit 451
R$ 9

Ray Bradbury