Sócrates, a memória e a Internet

“Esta invenção, ó rei”, disse Tot, “tornará os egípcios mais sábios e melhorará suas memórias; pois é um elixir da memória e sabedoria que descobri.” Mas Thamus respondeu: “ó engenhoso Tot, um homem tem a capacidade de gerar artes, mas a capacidade de julgar sua utilidade ou nocividade para seus usuários pertence a outro; e agora você, que é o pai das letras, foi levado pelo seu afeto a atribuir-lhes um poder o oposto do que elas realmente possuem. Pois esta invenção produzirá esquecimento nas mentes daqueles que aprenderem a usá-la, porque eles não praticarão mais sua memória.”

Platão, Fedro

É engraçado, não é, como um texto escrito há mais de dois mil anos pode ser tão relevante aos problemas que enfrentamos na sociedade moderna? Nesta citação do Fedro de Platão, Sócrates está usando um suposto diálogo entre o deus egípcio Tot, o inventor da escrita, e Thamus, o rei do Egito, para explicar a Fedro os perigos da escrita, e os efeitos preocupantes que, pensa Sócrates, esta tem na sabedoria humana. Tot acredita que através de sua criação encontrou uma maneira de preservar as memórias dos egípcios, e por isso pensa que fornecerá ao povo egípcio uma sabedoria que se estende além de suas capacidades naturais. No entanto, Thamus argumenta que a nova invenção de Tot – sua nova tecnologia revolucionária – não ajudará os egípcios a se tornarem sábios. Em vez de lhes conceder novos poderes de memorização, eles delegarão sua memória a um sistema externo e, assim, perderão sua capacidade natural de memória interna, que é a pedra fundamental do conhecimento. Suas memórias, e assim sua sabedoria, degradarão, à medida que o conhecimento se torna cada vez mais armazenado em símbolos externos.

Vamos avançar de 2400 anos até os dias atuais. Vamos imaginar que a invenção de Tot não é as letras, mas a internet. É surpreendente como a citação de abertura ainda se aplica. Segundo o argumento de Sócrates, a internet seria o maior meio de perda de memória coletiva na história da humanidade. A capacidade da internet de armazenar memórias é ilimitada e, embora se demonstre que os livros melhoram a capacidade da memória, a tendência de confiar na tecnologia moderna, em particular na Internet, como um vasto banco de memória externo, está nos levando cada vez mais a uma perda de memória.

Atenção e memória

O que realmente determina o que lembramos e o que esquecemos? Para responder a essa pergunta, um bom ponto de partida é olhar para o trabalho de um homem que dedicou sua vida ao estudo da memória, o neuropsiquiatra ganhador do Prêmio Nobel, Eric Kandel.

Segundo Kandel, a chave para a formação de memórias é a atenção. O processo de armazenar e reter memórias explícitas através da construção de conexões entre ideias requer altos níveis de concentração mental, o que pode ser facilitado por um forte envolvimento intelectual ou emocional, em outras palavras, através da atenção. Em seu livro In Search of Memory, Kandel escreve que, para uma memória persistir, “as informações recebidas devem ser processadas completa e profundamente. Isto é conseguido dando atenção à informação e associando-a significativa e sistematicamente com o conhecimento já bem estabelecido na memória.” Sem prestar atenção a um pensamento ou experiência, os neurônios envolvidos perdem seu estado excitado de atividade elétrica em poucos segundos, e a memória se foi, deixando talvez apenas um pequeno rastro na mente.

A atenção tornou-se uma das questões mais prementes que afetam a sociedade ocidental nos últimos anos, porque nossa capacidade de atenção sustentada diminuiu desde o desenvolvimento da Internet no início dos anos 90. A enorme quantidade de mensagens que encontramos toda vez que entramos on-line não apenas sobrecarrega nossa memória de trabalho, como também torna mais difícil para os lóbulos frontais do nosso cérebro direcionar nossa atenção para uma tarefa específica. Kandel diz que, o processo de boa construção de memória não pode sequer começar. Quantos de nós descobriram que é cada vez mais difícil se concentrar por longos períodos em tarefas que exigem atenção constante, por exemplo, ler um livro ou mesmo assistir a um filme longo? E quanto mais usamos a web, mais nossos cérebros se acostumam a se distrair – isto é, processar informações com extrema rapidez e eficiência sem atenção constante. Mesmo no processo de escrever este artigo, notei como é difícil não abrir outra aba e checar o Facebook, o Gmail ou não se distrair com outro hiperlink em um site que estou pesquisando. Através da delegação de memória e da deterioração da atenção, nossos cérebros se tornaram essencialmente adaptados ao esquecimento, o que faz com que eles se tornem ineptos em lembrar. E aqui ficamos presos em um ciclo vicioso: como nosso uso da web torna cada vez mais difícil mantermos as informações armazenadas na memória biológica, somos forçados a confiar cada vez mais nos bancos de memória externos da web…

O remédio que envenena

Então Sócrates estava certo? Conforme o tempo passa, e nossa dependência de externalidades técnicas aumenta, isso significa que estamos fadados a um futuro de déficit de atenção e demência social? Pode parecer que sim. No entanto, há outro caminho.

No Fedro, Tot descreve sua invenção da escrita como um “pharmakon“, claramente a origem de nossa palavra “farmácia”. Mas pharmakon é interessante neste contexto, pois pode ser traduzido como “veneno” e “remédio”. Assim, a partir do Fedro, tecno – o que a humanidade faz e usa – foi pensado dessa maneira dupla, como a natureza farmacológica, poderíamos dizer. A tecnologia moderna também pode, e deve, ser entendida como tendo qualidades venenosas e curativas. Mas, para explorar o aspecto positivo dessa dupla natureza semelhante à droga da moderna tecnologia da informação, devemos utilizar sua capacidade de realmente melhorar nossa atenção.

Mas qual é a maneira mais eficaz para melhorarmos nossa atenção em nosso mundo de conhecimento fugaz e informação esporádica? Para recuperar a atenção, devemos nos concentrar em como pensar profundamente. Devemos reverter a superficialidade do entendimento que a internet trouxe. Como Kandel diz, devemos prestar atenção.

Um legado de pensamentos

Ao longo dos diálogos de Platão, vemos referências à rejeição de Sócrates da escrita devido aos vários perigos dessa exteriorização de ideias. No entanto, devemos notar que é somente através dessa exteriorização que somos alertados sobre esses perigos. Sócrates era um orador; mas Platão era escritor. Seu legado vive através dos livros que ele deixou para trás. De fato, nem Sócrates nem Platão podem justamente condenar a prática da escrita. Platão foi sem dúvida o externalizador individual mais influente da memória interna na história; e mesmo que Sócrates não tenha escrito, é evidente que ele foi muito lido. […]

A atenção profunda e sustentada que é necessária ao ler textos mais longos, em particular livros, pode ser encarada como uma forma de cuidar de nossos cérebros e mentes […]. Se quisermos recuperar as habilidades que começaram a se perder durante a era da internet. A internet ainda é jovem e ainda estamos aprendendo como nos adaptar a ela, mas sua natureza farmacologicamente dual deve ser entendida para que possamos tomar decisões informadas e racionais, tanto individual quanto coletivamente, sobre como interagir com ela no futuro.

Para concluir, deixarei uma citação de um discurso de 2005 de um autor que previu essas questões com mais clareza do que a maioria de sua geração, o grande David Foster Wallace:

“Aprender a pensar” realmente significa aprender a exercitar algum controle sobre como e o que você pensa. Significa ser consciente e consciente o suficiente para escolher o que você presta atenção e escolher como você constrói significado a partir da experiência … O tipo realmente importante de liberdade envolve atenção, consciência, disciplina e esforço, e poder verdadeiramente cuidar outras pessoas. ”

Matt Bluemink. Socrates, Memory & The Internet. [Tradução Nossa]

Livraria

O Anticristo
R$ 22

Nietzsche

Além do bem e do mal
R$ 21

Nietzsche

Genealogia da moral
R$ 19

Nietzsche

O mundo de Sofia
R$ 29

Jostein Gaarder

A gaia Ciência
R$ 20

Nietzsche

Nietzsche
R$ 32

Michel Onfray

A revolução dos bichos
R$ 23

George Orwell

Fahrenheit 451
R$ 9

Ray Bradbury