Thomas de Aquino | Filosofia na Escola

Thomas de Aquino

Thomas de Aquino foi um filósofo e teólogo italiano do período medieval, principal proponente da teologia natural e interessado em conciliar fé e razão através da filosofia.

Biografia

Nascimento

Filósofo e teólogo Thomas de Aquino nasceu por volta de 1225 em Roccasecca, Itália. Combinando os princípios teológicos da fé com os princípios filosóficos da razão, ele se classificou entre os pensadores mais influentes da escolástica medieval. Uma autoridade da Igreja Católica Romana e um escritor prolífico, Aquino morreu em 7 de março de 1274, em um mosteiro em Fossanova, Itália.

Filho de Landulph, conde de Aquino, Tomás de Aquino nasceu por volta de 1225 em Roccasecca, Itália. Aquino tinha oito irmãos e era o filho mais novo. Sua mãe, Theodora, era condessa de Teano. Embora os membros da família de Thomas fossem descendentes dos imperadores Frederico I e Henrique VI, eles eram considerados de baixa nobreza.

Antes do nascimento de Tomás de Aquino, um eremita compartilhou uma previsão com sua mãe, prevendo que seu filho entraria na Ordem dos Pregadores, se tornaria um grande aprendiz e alcançaria inigualável santidade.

Educação

Seguindo a tradição do período, Tomás de Aquino foi enviado à Abadia de Monte Cassino para aprender entre monges beneditinos quando tinha apenas 5 anos de idade. Em Monte Cassino, o jovem questionador repetidamente fez a pergunta: “O que é Deus?” aos seus benfeitores.

Tomás de Aquino permaneceu no mosteiro até os 13 anos de idade, quando o clima político o obrigou a voltar a Nápoles.

Passou os cinco anos seguintes completando sua educação primária em uma casa beneditina em Nápoles. Durante esses anos, estudou o trabalho de Aristóteles, que mais tarde se tornaria um importante ponto de partida para a sua filosofia.

Universidade

Por volta de 1239, Tomás de Aquino começou a frequentar a Universidade de Nápoles. Em 1243, se juntou secretamente a uma ordem de monges dominicanos, recebendo o hábito em 1244. Quando sua família descobriu, se sentiram tão traídos que decidiram sequestrá-lo. A família de Aquino o manteve cativo por um ano inteiro, preso na fortaleza de San Giovanni em Rocca Secca. Durante esse tempo, tentaram dissuadir Thomas de suas novas crenças. Porém ele se manteve firme nas ideias que havia aprendido na universidade e voltou à ordem dominicana após sua libertação em 1245.

De 1245 a 1252, Tomás de Aquino continuou seus estudos com os dominicanos em Nápoles, Paris e Colônia. Ele foi ordenado em Colônia, na Alemanha, em 1250, e passou a ensinar teologia na Universidade de Paris. Sob a tutela de Santo Alberto Magno,  Tomás de Aquino obteve seu doutorado em teologia.

Obras

Em 1256, Tomás de Aquino começou o primeiro de muitos anos de viagens e palestras sobre teologia em toda a França e Itália. Durante este período, ele foi frequentemente chamado para aconselhar o pontífice reinante e o rei francês Luís VIII em assuntos de Estado, e para representar a Ordem Dominicana em reuniões e discussões. Apesar de pregar todos os dias, ele encontrou tempo para escrever e continuou a trabalhar em sua grande obra, a “Summa Theologica” .

Pouco depois de sua morte, os escritos teológicos e filosóficos de São Tomás de Aquino ganharam grande aclamação pública e reforçaram um forte número de seguidores entre os dominicanos. Universidades, seminários e faculdades vieram a substituir os Quatro Livros de Sentenças de Lombard pela Summa Theologica como o principal livro de teologia.

Revelação mística

Durante a Festa de São Nicolau em 1273, Tomás de Aquino teve uma visão mística que fez a escrita parecer sem importância para ele. Na missa, ele supostamente ouviu uma voz vinda de um crucifixo que dizia: “Tu escreveste bem de mim, Thomas; que recompensa você terá?” ao que São Tomás de Aquino respondeu: “Ninguém senão a ti mesmo, Senhor”.

Quando o confessor de São Tomás de Aquino, padre Reginald de Piperno, insistiu para que ele continuasse escrevendo, ele respondeu: “Não posso fazer mais nada. Tais segredos me foram revelados que tudo o que escrevi agora parece ser de pouco valor”. Tomás de Aquino nunca mais escreveu.

Morte

Em janeiro de 1274, Tomás de Aquino embarcou em uma viagem a Lyon, na França, a pé para servir no Segundo Concílio, mas nunca chegou lá. Ao longo do caminho, ele adoeceu no mosteiro cisterciense de Fossanova, na Itália. Os monges queriam que Tomás de Aquino ficasse no castelo, mas, sentindo que sua morte estava próxima, Thomas preferiu permanecer no mosteiro, dizendo: “Se o Senhor deseja me levar embora, é melhor que eu seja encontrado em uma casa religiosa do que na habitação de um leigo “.

Muitas vezes chamado de “O Mestre Universal”, Tomás de Aquino morreu no mosteiro de Fossanova em 7 de março de 1274. Ele foi canonizado pelo papa João XXII em 1323.

Teologia e Filosofia

Na vanguarda do pensamento medieval havia uma luta para reconciliar a relação entre teologia (fé) e filosofia (razão). As pessoas estavam em desacordo sobre como unir o conhecimento que obtiveram através da revelação com as informações que observavam naturalmente usando sua mente e seus sentidos. Com base na “teoria da dupla verdade” de Averroes, os dois tipos de conhecimento estavam em oposição direta entre si. As visões revolucionárias de São Tomás de Aquino rejeitaram a teoria de Averróis, afirmando que “ambos os tipos de conhecimento, em última análise, vêm de Deus” e eram, portanto, compatíveis. Não só eles eram compatíveis, mas, de acordo com a ideologia de Aquino, eles poderiam trabalhar em colaboração: Ele acreditava que a revelação poderia guiar a razão e impedi-la de cometer erros, enquanto a razão poderia esclarecer e desmistificar a fé.

Compartilhar