Conceito de reminiscência de Platão

11 de dezembro de 2022 - 3 min leitura

Platão defendia a ideia de que o conhecimento é inato em seres humanos e que já existia antes de nossas vidas atuais. Ele acreditava que a alma humana é imortal e que antes de nascermos, vivemos em um mundo de ideias perfeitas, onde adquirimos conhecimento. Quando nascemos, esse conhecimento é esquecido, mas pode ser lembrado, um processo chamado por ele de reminiscência.

Antes de entender melhor isso, é importante você compreender o dualismo de platônico, pois uma ideia depende da outra. O dualismo de Platão é uma teoria filosófica que afirma que o mundo é composto por duas realidades distintas e separadas: a realidade material ou sensível e a realidade suprassensível ou inteligível. Segundo o filósofo, a realidade material é composta pelas coisas físicas que podemos perceber com os nossos sentidos, como árvores, rochas e animais. Já a realidade imaterial é composta pelas ideias ou conceitos abstratos dessas coisas: a ideia de árvore, rocha e animal. Platão acreditava que as ideias são eternas e imutáveis, enquanto as coisas físicas são imperfeitas e passíveis de mudança.

Antes de estarmos em um corpo, nossa alma já existe e está em contato com esse mundo paralelo de ideias eternas e imutáveis. Ao ingressarmos em um corpo no momento de nosso nascimento, esquecemos tais ideias e tudo o que sabemos e ao longo da vida vamos relembrando.

Para ilustrar essa ideia, pense no seguinte exemplo. Uma criança, mesmo depois de ter contato com vários círculos em sua infância, não necessariamente sabe o que é um círculo. O que ela conhece são objetos circulares: uma roda, um bambolê, uma moeda etc. Tais objetos fazem parte do mundo sensível de acordo com Platão. No entanto, ao entrar na escola e começar seus estudos de matemática, aprenderá que um círculo é uma figura geométrica cujos pontos ficam a uma distância simétrica em relação ao centro. Ao compreender isso, não pensará no círculo como uma roda de bicicleta ou de carro, um bambolê ou moeda, mas no sentido mais exato do conceito. Para Platão, ao aprender esse conceito a criança está relembrando a ideia ou forma do círculo, tal como essa existe no mundo das ideias.

De acordo com Platão, essa reminiscência é possível porque as ideias universais existem em um reino de ideias separado da realidade sensível que experimentamos. Nesse reino de ideias, as formas são eternas e imutáveis, enquanto os objetos do mundo sensível são apenas imitações imperfeitas dessas formas. A ideia de círculo permanece a mesma por toda a eternidade. Mas o mesmo não pode ser dito da roda, do bambolê ou da moeda. Ao longo do tempo esses objetos irão se desintegrar. A reminiscência nos permite acessar o conhecimento dessas formas eternas e verdadeiras, um conhecimento superior àquele que podemos ter simplesmente observando os objetos do nosso entorno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *