Juízos de fato e juízos de valor

Por
William é formado em filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), tem especialização em docência e trabalha como professor de filosofia no ensino médio.
1 de setembro de 2019 - 2 min leitura

Um juízo de fato é uma afirmação que se propõe a retratar ou descrever algum aspecto da realidade. Se digo “Marcelo tem 70 quilos” ou “existem onças nas florestas brasileiras” estou fazendo um juízo dessa natureza. Um juízo de fato é qualquer afirmação que pode ser verdadeira ou falsa, dependendo do fato de existir ou não a realidade descrita pela afirmação. Se afirmo “existem elefantes nas florestas brasileiras”, posso considerar esse um juízo de fato?

A resposta é sim. Mesmo que essa afirmação seja falsa e não existam elefantes por aqui, ela pretendia descrever algo supostamente real, embora não tenha sido bem-sucedida.

Um juízo de valor, por outro lado, não pretende descrever um aspecto da realidade, mas avaliar esse aspecto como bom ou ruim. Se afirmo que “Marcelo é uma pessoa boa”, não estou fazendo uma descrição, estou avaliando o comportamento dessa pessoa. Da mesma forma, se digo que “a desigualdade de riqueza existente no Brasil é injusta”, não estou apenas afirmando que existe desigualdade no Brasil. Estou atribuindo um valor negativo a essa realidade.

Juízos de fato são também chamado de juízos descritivos, na medida em que se limitam a fornecer informações sobre a realidade. Eles descrevem a realidade para que possamos conhece-la.

Juízos de valor, ao contrário, são normativos ou prescritivos. Eles são usados, na maioria das vezes, para influenciar o comportamento das pessoas. Se digo que a desigualdade no Brasil é injusta, quero influenciar o comportamento das pessoas de alguma forma, para que essa realidade injusta deixe de existir. Assim, um juízo de valor negativo serve para tentar fazer com que o fato avaliado negativamente deixe de existir. Um juízo positivo, por sua vez, serve para que o fato avaliado positivamente passe a existir ou continue existindo.

Tatim, William Godoy. Juízos de fato e juízos de valor. Filosofia na Escola, 2019. Disponível em: < https://filosofianaescola.com/moral/juizos-de-fato-e-juizos-de-valor/>. Acesso em: 25 de Jul. de 2021.

This post has 10 Comments

  1. Elisangela disse:

    Não concordo com seu texto, ele é confuso, pq fato é o que acontece ou aconteceu e não se pode usar a frase “pode ser real ou não”, se é uma realidade é pq é real e não uma suposição errada.

  2. Filosofia na Escola disse:

    Oi, Elisangela. Algo que ajuda compreender conceitos de filosofia é considerar a ambiguidade das palavras. A filosofia usa muitas palavras cotidianas, que já conhecemos, mas com sentidos diferentes dos usuais. Então é sempre recomendável tentar entender as palavras em contextos. “Fato”, quando isolado, significa uma coisa. Quando presente na expressão “juízo de fato” tem outro significado. Se tentamos entender a expressão “juízo de fato” a partir do que já conhecemos sobre “fato”, acaba ficando confuso.

  3. Jullyana keveny ribeiro da Silva disse:

    O juízo de fato pode ser entendido como aqueles que colocam em prática a reflexão sobre as coisas como elas são e o fato de serem.ja o juízo de valor parte da análise dos indivíduos sobre as coisas,as situações e o ambiente que cerca a moral.

  4. Fabíola Tavares Rabelo disse:

    juízo de fato:São aqueles que dizem a que as coisas são,Como são e por que são.Na vida cotidiana ,Mas também na metafísica e nas ciências,os juízo de fato estão presente.
    juízo de valor:São avaliações sobre coisas,pessoas,situações são proferidos na moral,Mas artes,na política,na religião

    1. Filosofia na Escola disse:

      Oi, Fabíola. Em parte sim, mas em parte não. Na moral, política e religião também existem juízos de fato. “Deus existe”, “Aumentar a taxa Selic reduz a inflação”, por exemplo, são afirmações religiosas e políticas, respectivamente, e são juízos de fato. E também existe juízo de valor na ciência, na vida cotidiana e metafísica. Ambos estão presentes em todas as áreas da vida, embora haja um uso mais frequente em certas áreas. Por exemplo: na ciência se usa mais juízos de fato do que de valor; na moral o contrário.

  5. Christine Fonseca de Oliveira disse:

    O juízo de fato é a tentativa do ser humano de dar um significado à realidade, de acordo como ele a percebe, e de forma mais concreta e menos “romantizada”.O juízo de fato está presente tanto no campo da ciência, física e metafísica, como também na vida cotidiana das pessoas.
    Exemplos: “O rapaz é alto”,”O caderno tem folhas”,”O oxigênio é um elemento químico”.

    Juízo de valor:é um julgamento feito a partir de percepções individuais, tendo como base fatores culturais,sentimentais,ideologias e pré-conceitos pessoais,normalmente relacionados aos valores morais. Um juízo de valor pode ser interpretado a partir de um ponto de vista pejorativo, quando significa que determinada avaliação ou juízo foi feito tendo como base os valores pessoais de determinado indivíduo, sem com que fosse seguido um pensamento Imparcial,racional e objetivo sobre o acontecimento.
    Exemplos:”A menina é alta e magra” (juízo real,pois apresenta as características físicas da pessoa, assim como é de fato) “A menina é bela” (é um juízo de valor,pois as características físicas “alta e magra” foram avaliadas como sendo próprias das pessoas consideradas “bonitas”)

  6. RAYSSA CRISTINA RODRIGUES BARBOSA ;SALA:202 disse:

    O Juízo de fato: é qualquer afirmação que podemos descrever em qualquer aspectos , independente dele ser verdadeira ou falso.
    Ex: existe canguru nas florestas brasileiras.
    será que podemos considerar essa afirmação um juízo de fato ?
    A resposta é sim, mesmo que essa afirmação seja falsa, é não existem canguru no Brasil , ela pretendia descrever algo supostamente real,embora não tenha sido real.

    O Juízo de valor: Não pretende descrever um aspecto da realidade , mas avaliar o comportamento das pessoas, juízo de valor são também chamado de juízos descritivos ,na medida em que se limitaram a fornecer informações sobre a realidade , juízo de valor ,ao contrário , são normativos ou prescritivos,eles são usados ,na maioria das vezes , para influência o comportamento das pessoas.
    Ex: Ausilane é uma pessoa muito simpática .
    Não estou fazendo uma descrição , estou avaliando o comportamento da Ausilane.

  7. Alice Maria Ferreira Costa Costa Turma: 201 disse:

    Juízo de fato é feito a partir de experiências vividas e se refere às coisas como elas são de forma objetiva. O juízo de é um modo do ser humano de tentar dar um significado à realidade, de acordo como o modo que ele a percebe. Por exemplo: ” O caderno tem folhas.” , ” A neve é fria.” , ” O Sol é uma estrela.” , ” O oxigênio está presente na atmosfera da Terra.” . O juízo de fato está presente em várias áreas das nossas vidas.
    Juízo de valor é feito a partir do ponto de vista de cada indivíduo, que tem como base sentimentos, cultura, ideologias, e conceitos pessoais relacionados aos valores morais. No âmbito jurídico, o juízo de valor também pode ser entendido como uma qualidade positiva, desde que seja feito com um conjunto de valores universais, de cunho moral e ético.
    Exemplo: ” A menina é bonita. “, ” O garoto é alto.”.
    Na sociedade, o juízo de valor funciona como um “termômetro”, indicando o que é o certo e o errado, o bem e o mal, o bonito e o feio e etc.

  8. Camily Dos Anjos Costa disse:

    Entende-se por juízo, enquanto conceito filosófico, o ato de julgar e de avaliar um objeto. Para facilitar a compreensão, nos deteremos nos seguintes tipos de juízo: o juízo de fato, o juízo de valor e os juízos kantianos.

  9. Eulina Nazaré Guimarães Barros disse:

    Maravilhoso o conhecimento trago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

📧 Vamos manter contato?

Receba periodicamente em seu email uma lista com os últimos artigos publicados. Não se preocupe, não enviamos emails comerciais.