Falácias

Confira uma lista com dezenas de falácias explicadas de forma simples e com inúmeros exemplos retirados de debates reais.

Falácia do apostador

A falácia do apostador ou de Monte Carlo é erro comum quando calculamos a probabilidade de eventos. Imagine que tem em suas mãos uma moeda honesta, ou seja, que não foi manipulada para cair sempre cara ou sempre coroa. Você joga 20 vezes e em todas obtém cara. Quando jogar a vigésima primeira vez, é provável que dê cara […]

Argumento ad nauseam ou ad infinitum

O argumento ad nauseam (até provocar náusea, em português) ou ad infinitum é um tipo de argumento que tenta convencer uma audiência através da repetição. Repetir a mesma ideia milhares de vezes fará com que as pessoas acreditem nela mesmo se for falsa? A julgar pelas estratégias de publicidade e propaganda, sim. Pense nos anúncios de produtos. Enquanto vemos […]

Mistério, portanto mágica

Imagine que está assistindo um show de mágica. Você olha para o palco e vê um mágico movendo suas mãos como asas de pássaro e lentamente seus pés saem do chão. Parece voar. Para você e toda a plateia, é um mistério como o mágico pode desafiar a lei da gravidade. Ainda assim, não concluem […]

Reductio ad Hitlerum

Reductio ad Hitlerum ocorre quando uma ideia é rejeitada porque no passado foi adotada por Adolf Hitler. Às vezes isso é uma falácia, mas nem sempre. Hitler é um dos líderes mais perversos da história. Responsável pela morte de mais de 10 milhões de pessoas entre judeus, ciganos, comunistas, homossexuais e deficientes, seu nome se tornou sinônimo de “mal”. Assim, […]

Armas não matam pessoas, pessoas matam: uma falácia que ignora a causa próxima

Toda campanha política precisa de frases de efeito e bons argumentos para ganhar apoiadores, convencê-los de que estão no caminho certo e desacreditar quem pensa diferente. Essa não é uma peculiaridade da direita ou da esquerda, é uma característica do discurso que tem a pretensão de atingir as massas. A frase “armas não matam pessoas, […]

Negação do antecedente

A negação do antecedente é uma falácia formal que ocorre quando a segunda premissa de um silogismo nega o antecedente de uma premissa condicional. A linguagem é complexa, mas isso já vai ficar claro. Considere o exemplo abaixo: Se Sofia está em Porto Alegre, então ela está no Rio Grande do Sul Sofia não está em Porto Alegre. Portanto, ela não […]

Afirmação do consequente

A afirmação do consequente é uma falácia formal que ocorre quando a segunda premissa de um silogismo afirma o consequente de uma premissa condicional. A linguagem é complexa, mas isso já vai ficar claro. Considere o exemplo abaixo: Se Sofia está em Porto Alegre, então ela está no Rio Grande do Sul Sofia está no Rio Grande do Sul. Portanto, ela […]

Falácia da falácia ou argumentum ad logicam

A falácia da falácia, chamada argumentum ad logicam em latim, ocorre quando tiramos uma conclusão errada do fato de um argumento ser falacioso. O nome da falácia certamente não é dos melhores, porém não é difícil entender do que se trata. Se você descobre que um determinado raciocínio é falacioso, infere disso que sua conclusão é falsa? […]

Apelo ao ridículo

O apelo ao ridículo é uma falácia de relevância que ocorre quando uma ideia é considerada falsa porque soa ridícula. Um argumento é falacioso quando viola alguma das regras de um bom argumento. O apelo ao ridículo viola a exigência de que argumentos bons devem ter premissas que sejam relevantes para mostrar que a conclusão […]

Apelo ao povo ou argumentum ad populum

O apelo ao povo (argumentum ad populum, em latim) é uma falácia de relevância que ocorre de duas formas. A primeira acontece quando alguém tenta convencer você a adotar uma ideia simplesmente porque um grande número de pessoas pensa assim. Um exemplo simples dessa falácia é o seguinte: A maioria das pessoas acredita na existência de Deus. Portanto, é […]