Envenenar o poço

2 min de leitura
Por
William é formado em filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), tem especialização em docência e trabalha como professor de filosofia no ensino médio.
Última atualização agosto 2019

Envenenar o poço é uma falácia que consiste em apresentar informações pessoais desfavoráveis sobre um oponente de debate e usar essas informações como razão para não acreditar no que esse diz. Essa é uma falácia do tipo ad hominem, já que se trata de um ataque contra a pessoa que está argumentando e não contra os argumentos que esta apresenta.

Exemplo

Analise o diálogo abaixo

Milene – Penso que o melhor meio de transporte é a bicicleta, pois além não poluir o meio ambiente ainda nos torna mais saudáveis.Bárbara – Isso não é verdade. Nada como a comodidade de um carro. Além disso, com ele temos liberdade de fazer muitas coisas.

Milene – Sim, realmente temos muita liberdade, principalmente quando estamos presos em um congestionamento… Você é dona de um posto de gasolina, é impossível levar a sério o que diz.

No diálogo acima, Milene usa, como razão para desconsiderar os argumentos de Bárbara, o fato de esta ser dona de um posto de gasolina. Se Bárbara vende combustível, é do interesse dela que muitas pessoas andem de carro. Esse é o único motivo para ela defender que este é o melhor meio de transporte.

É verdade que Bárbara tem um incentivo para pensar que o carro é melhor que a bicicleta. Porém, isso também não impede que tenha bons argumentos. Para não incorrer na falácia de envenenar o poço é necessário analisar esses argumentos ao invés de simplesmente descartá-los com base em fato de sua vida.

Referências e leitura adicional

Para conhecer mais, veja nossa lista de falácias com dezenas de textos didáticos abordando esse tema. Para uma análise mais aprofunda, sugerimos a leitura de Lógica Informal, um livro de Douglas Walton. Esse é o livro mais abrangente em português sobre o assunto.
Douglas Walton. Lógica Informal: manual de argumentação crítica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.