Defesa do libertismo

O libertismo afirma que (1) não estamos determinados, (2) temos liberdade para escolher fazer o que desejamos (liberdade metafísica) e (3) somos moralmente responsáveis por nossas ações. Abaixo há uma defesa do libertismo a partir de três argumentos: o argumento da introspecção, o argumento da responsabilidade moral e o argumento da deliberação.

Argumento da introspecção

O primeiro argumento em favor do libertismo parte das nossas impressões subjetivas sobre nossas ações.

O que a sua mão direita está fazendo neste momento presente? Segurando um dispositivo eletrônico? Tomando notas com uma caneta? Coçando a cabeça? Antes de ler mais, eu quero que você faça alguma coisa diferente com a sua mão. Você fez isso? Você sentiu como se essa ação fosse o inevitável resultado de causas anteriores agindo em você? Claro, você estava respondendo à minha orientação, mas você realmente não precisava fazer nada. Você poderia ter escolhido ignorar meu pedido. Por isso, o que você fez (ou não) foi uma questão de sua própria decisão. Agora faça algo diferente (por exemplo, levante-se, coloque o pé para fora). Mais uma vez, você tem a impressão de que essa ação tenha sido causada ou inevitável? Você não tem a sensação de que você poderia ter agido de forma diferente do que você fez?

De acordo com o libertista, esse tipo comum de experiência de que nossas ações são livremente escolhidas e que poderíamos ter agido de outra forma são contraexemplos vigorosos à afirmação do determinista de que nossas ações são determinadas e inevitáveis.

A título de réplica, o determinista seria rápido em apontar que nosso sentimento de a liberdade pode ser uma ilusão e nossos relatos introspectivos às vezes são equivocados. No entanto, nossas próprias ações são o único tipo de evento no mundo que conhecemos tanto de o interior e o exterior. Assim, o libertista argumenta, devemos dar uma alta prioridade à evidência prima facie de nossa própria experiência nesta questão. Segundo seu biógrafo, o famoso escritor inglês do século XVIII Samuel Johnson disse certa vez: “Toda teoria é contra a liberdade da vontade; toda a experiência é para isso”.

Argumento da responsabilidade moral

O segundo argumento em favor do libertismo parte do fato de que temos responsabilidade moral ao agirmos.

Se alguém dedica seu tempo livre à construção de casas para os pobres, podemos dizer que as ações da pessoa são moralmente boas, louváveis, admiráveis. Por outro lado, se alguém machuca emocionalmente as pessoas fingindo amá-las apenas para obter algo delas, podemos dizer que o comportamento dessa pessoa é moralmente ruim, desprezível e culpável.

Mas poderíamos fazer esses julgamentos sobre uma pessoa se suas ações foram o resultado inevitável de causas deterministas? Parece que fazer julgamentos morais sobre as pessoas e elogiar ou culpa-las exige que suas ações sejam livremente escolhidas. Se o determinista está correto em dizer que todo o nosso comportamento é o resultado de causas sobre as quais não temos controle, então um tirano como Hitler e uma grande humanitária como Madre Teresa são moralmente iguais, já que ambos simplesmente se comportaram como foram obrigados a se comportar. Olhando assim, Madre Teresa não deve ser mais elogiada por suas ações ou Hitler condenado do que Madre Teresa deve ser aplaudida por ter pressão arterial baixa e Hitler condenado por ter pressão alta. Na análise final, o determinismo implica que a cor dos nossos olhos, a pressão arterial e o caráter moral são todos produtos de causas que operam sobre nós e cujos resultados nós não escolhemos. Mas essa filosofia não acaba a moralidade, uma das características mais significativas da nossa humanidade?

O libertista afirma que, se o determinismo é verdadeiro, então nossos julgamentos morais e lutas éticas são absurdas. Como o cientista Arthur Eddington expressou adequadamente:

Que significado há na minha luta mental esta noite, se devo ou não deixar de fumar, se as leis que regem a matéria do universo físico já pré-ordenaram para o dia seguinte uma configuração da matéria que consiste em cachimbo, tabaco e fumaça conectada com meus lábios?

O determinista responderia que apenas porque uma teoria conflita com nossas sensibilidades não significa que seja falsa. Talvez tenhamos que “morder a bala” e abandonar nossa noção de responsabilidade moral. No entanto, o libertista responderia que há mais razões para acreditar na responsabilidade moral do que há para acreditar em um determinismo universal.

Argumento da deliberação

Por fim, o terceiro argumento em favor do libertismo parte do fato de que, em muitas das escolhas que fazemos, temos que deliberar antes de decidir. E esse é um indício de que nossas ações livres.

Frequentemente nossas escolhas e ações são precedidas por um período de deliberação durante o qual pesamos as evidências, consideramos os prós e contras de nossas alternativas, calculamos as prováveis consequências de uma ação, e da avaliação de todos esses dados em termos de nossos valores e desejos. Nesta situação, segundo os libertistas, nós experimentamos o fato de que a decisão não está pré-determinada nas causas que agem sobre nós; em vez disso, temos um senso claro de que estamos decidindo ativamente qual será a decisão. Ao contrário do que defende a concepção determinista, quando nós deliberamos não somos simplesmente como uma bola de metal suspensa entre dois campos magnéticos opostos. Em vez de esperar passivamente o resultado da guerra entre os nossos motivos, objetivos ou desejos, muitas vezes nos encontramos ativamente escolhendo qual irá prevalecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *