Skinner e o determinismo

Introdução

O texto abaixo é uma passagem do livro Walden II, de Skinner, na qual apresenta uma crítica à ideia de livre-arbítrio.

Texto

“Minha resposta [à questão da liberdade] é bastante simples”, disse Frazier. “Eu nego que a liberdade exista. Eu devo negar isso – ou meu programa [de desenvolver uma ciência do comportamento] seria absurdo. Você não consegue fazer ciência sobre um tema em que os acontecimentos não obedecem a relações de causa e efeito, mas se comportam de maneira aleatória. Talvez nunca possamos provar que o homem não é livre; é uma suposição. Mas o crescente sucesso de uma ciência do comportamento torna isso cada vez mais plausível.”

“Pelo contrário, uma simples experiência pessoal mostra que sua ideia é insustentável”, disse Castle. “A experiência da liberdade. Eu sei que sou livre…”

“O ‘sentimento de liberdade’ não deveria enganar ninguém”, disse Frazier. “Dê-me um caso concreto.”

“Bem, agora”, disse Castle. Ele pegou um livro. “Eu sou livre para segurar ou largar esse livro.”

“Você vai, é claro, fazer um ou outro”, disse Frazier. “Linguística ou logicamente, parece haver duas possibilidades, mas afirmo que existe apenas uma, de fato. As forças determinantes podem ser sutis, mas são inexoráveis. Eu sugiro que, como uma pessoa organizada, você provavelmente irá segurar – ah! você o soltou! Bem, você vê, isso é tudo parte do seu comportamento em relação a mim. Você não resistiu à tentação de provar que eu estava errado. Foi tudo predeterminado. Você não teve escolha. O fator decisivo entrou um pouco tarde e, naturalmente, você não podia prever o resultado quando os segurou pela primeira vez. Não havia nenhuma forte probabilidade de você agir em qualquer direção, e então você disse que estava livre.”

“Isso é muito simplista”, disse Castle. “É fácil argumentar a favor do determinismo após o fato. Mas vamos ver se você consegue prever o que irei fazer. Então eu vou concordar com o determinismo.”

” Eu não disse que podemos prever um comportamento, assim como podemos prever o clima. Muitas vezes há muitos fatores a serem levados em conta. Não podemos medir todos eles com precisão e não podemos realizar as operações matemáticas necessárias para fazer uma previsão se tivéssemos as medições.”

Questões sobre o texto

  1. Você acha que Frazier está correto em afirmar que a ciência exige que neguemos a liberdade humana?
  2. Por que Castle acredita que ele é livre?
  3. Você acha que Castle tem um bom motivo para acreditar na liberdade?
  4. Como Frazier concilia o fato de que nosso comportamento nem sempre é previsível com sua crença no determinismo?

Referência

Skinner, B. F. Walden Two. New York: Macmillan, 1948, pp. 257–58 [Tradução nossa].