Questões sobre o conceito de empirismo

Questão 1

A ciência ativa rompe com a separação antiga entre a ciência (episteme), o saber teórico, e a técnica (techne), o saber aplicado, integrando ciência e técnica. Do ponto de vista da ideia de ciência, a valorização da observação e do método experimental opõe a ciência ativa à ciência contemplativa dos antigos; assim também, a utilização da matemática como linguagem da física, proposta por Galileu sob inspiração platônica e pitagórica, e contrária à concepção aristotélica.
MARCONDES, D. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008 (adaptado).
Nesse contexto, a ciência encontra seu novo fundamento na
construção do método em separado dos fenômenos.
apropriação do senso comum como inspiração.
reintrodução dos princípios da metafísica clássica.
utilização da prova para confirmação empírica.
consolidação da independência entre conhecimento e prática.

Questão 2

O ponto de partida do empirismo de Locke é a ideia de que tudo que está na mente passou antes pelos sentidos.
Considerando isso, qual das alternativas abaixo está INCORRETA:
Tato, paladar, olfato, audição e visão são os meios pelos quais ideias sobre o mundo exterior são criadas na mente humana.
Locke também usou a expressão latina “tábula rasa” para se referir à sua concepção sobre o conhecimento.
A ideia de infinito é uma ideia simples produzida pela visão, sem o trabalho das faculdades da mente.
Ideias como pensamento e emoção são obtidas a partir da observação de nossas próprias operações mentais.

Questão 3

O empirismo de Locke se opõe ao racionalismo de Descartes.
Entre as divergências entre esses dois pensadores, é INCORRETO dizer que
Descartes acreditava que a ideia de perfeição era uma ideia inata, já Locke acreditava que tinha origem na sensação.
Descartes acreditava que Deus era uma ideia inata, já Locke pensava que essa era uma ideia oriunda da sensação.
Locke defendia que, como o conhecimento tem origem na experiência, não podemos saber da existência de Deus; Descartes, como acreditava que a razão por si só é capaz de produzir conhecimento sobre o mundo, ela é capaz de demonstrar a existência de um ser perfeito.
Locke afirmava que a mente humana não possui ideias inatas, pois é uma tábula rasa; Descartes, por outro lado, defendia a existência de ideias inatas.

Questão 4

Locke distingue entre qualidades primárias e secundárias de objetos.
Sobre esse tema, assinale a alternativa INCORRETA.
A cor dos objetos é uma qualidade primária.
A forma e o movimento dos objetos é uma qualidade primária.
Qualidades primárias são objetivas.
Qualidades secundárias são subjetivas.
Não é possível conhecer como o mundo realmente é em suas qualidades secundárias.

Questão 5

Locke distingue entre ideias simples e ideias complexas.
Sobre a diferença entre essas ideias, é INCORRETO afirmar que:
Ideias complexas podem ser criadas pela mente.
deias simples têm origem na observação.
Ideias complexas surgem pelo trabalho das faculdades da mente (composição, relação, abstração) sobre ideias simples.
Ideias simples podem ser criadas.

Questão 6

o investigar as origens das ideias, diversos filósofos fizeram interferências importantes no pensamento filosófico da humanidade. Dentre eles, destaca-se o pensamento de John Locke.
Assinale a alternativa que expressa as origens das ideias para John Locke.
“O que sou eu? Uma substância que pensa. O que é uma substância que pensa? É uma coisa que duvida, que concebe, que afirma, que nega, que quer, que não quer, que imagina e que sente, uma ideia em movimento.
“Não há dúvida de que todo o nosso conhecimento começa com a experiência […] mas embora todo o nosso conhecimento comece com a experiência, nem por isso todo ele pode ser atribuído a esta, mas à imaginação e à ideia.”
“Afirmo que essas duas, a saber, as coisas materiais externas, como objeto da sensação, e as operações de nossas próprias mentes, como objeto da reflexão, são, a meu ver, os únicos dados originais dos quais as ideias derivam.”
Todas as nossas ideias já existem de forma inata e são apenas preenchidas pelas impressões, no momento em que temos algum contato com as experiências.

Questão 7

John Locke é apontado como pioneiro do materialismo moderno. Sobre o “materialismo moderno”, é CORRETO afirmar que:
“Deriva as ‘ideias’ de que se constitui o conhecimento diretamente das sensações que se marcaram na mente […] não cabendo assim ao pensamento nada mais, […] que combinar, comparar e analisar essas mesmas ideias”.
“Todo o princípio do conhecimento material é sensorial, transponível, relativo e infinito”.
“O valor da experiência sensível, como fator primário da elaboração cognitiva, está na possibilidade de conhecer a essência da natureza”.
“O conhecimento deve ser introjetado a partir da experiência extrassensorial, peculiar a todo ser pensante”.

Questão 8

A maneira pela qual adquirimos qualquer conhecimento constitui suficiente prova de que não é inato.
LOCKE, John. Ensaio acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1988, p.13.
O empirismo, corrente filosófica da qual Locke fazia parte,
aproxima-se do modelo científico cartesiano, ao negar a existência de ideias inatas.
é uma forma de ceticismo, pois nega que os conhecimentos possam ser obtidos.
afirma que o conhecimento não é inato, pois sua aquisição deriva da experiência.
defende que as ideias estão presentes na razão desde o nascimento.

Questão 9

“Se os que nos querem persuadir que há princípios inatos não os tivessem compreendido em conjunto, mas considerado separadamente os elementos a partir dos quais estas proposições são formuladas, não estariam, talvez, tão dispostos a acreditar que elas eram inatas. Visto que, se as ideias das quais são formadas essas verdades não fossem inatas, seria impossível que as proposições formadas delas pudessem ser inatas, ou nosso conhecimento delas ter nascido conosco. Se, pois, as ideias não são inatas, houve um tempo quando a mente estava sem esses princípios e, desse modo, não seriam inatos, mas derivados de alguma outra origem. Pois, se as próprias ideias não o são, não pode haver conhecimento, assentimento, nem proposições mentais ou verbais a respeito delas. […] De onde apreende a mente todos os materiais da razão e do conhecimento? A isso respondo, numa palavra, da experiência. Todo o nosso conhecimento está nela fundado, e dela deriva fundamentalmente o próprio conhecimento. Empregada tanto nos objetos sensíveis externos como nas operações internas de nossas mentes, que são por nós mesmos percebidas e refletidas, nossa observação supre nossos entendimentos com todos os materiais do pensamento.”
(Locke)
Tendo presente o texto acima, é correto afirmar, segundo Locke, que
há duas fontes de nossas ideias, a sensação e a reflexão, de modo que tudo o que é objeto de nossa mente, por ser ela como que um papel em branco, é adquirido por meio de uma ou de outra dessas duas fontes.
contrariamente ao que afirma o texto, o autor admite excepcionalmente como inatos alguns princípios fundamentais e algumas ideias simples.
chama-se experiência a forma de conhecimento que, produzido por meio das diferentes sensações, nos permite saber o que as coisas são em sua essência e na medida em que são independentes de nós.
a ideia de substância é uma ideia simples formada diretamente a partir de nossa experiência das coisas e da capacidade que elas têm de subsistirem.
todas as nossas percepções ou ideias provém das sensações externas e de nosso contato com o que existe fora de nós.

Questão 10

Os termos “impressões” e “ideias”, para David Hume, são, respectivamente, por ele definidos como
“nossas percepções mais fortes, tais como nossas sensações, afetos e sentimentos; percepções mais fracas ou cópias daquelas na memória e imaginação”.
“aquilo que se imprime à memória e nos permite ativar a imaginação; lampejos inéditos sobre o objeto e sua natureza”.
“o que fica impresso na memória independentemente da força: ação de criar a partir do dado sensorial”.
“vaga noção do sensível; raciocínio com força de lei que legitima a natureza no âmbito da razão”.

Questão 11

O texto abaixo comenta a correlação entre ideias e impressões em David Hume.
Em contrapartida, vemos que qualquer impressão, da mente ou do corpo, é constantemente seguida por uma ideia que a ela se assemelha, e da qual difere apenas nos graus de força e vividez. A conjunção constante de nossas percepções semelhantes é uma prova convincente de que umas são as causas das outras; […].
HUME, D. Tratado da natureza humana. São Paulo: Editora da Unesp/Imprensa Oficial do Estado, 2001. p. 29.
Assinale a alternativa que, de acordo com Hume, indica corretamente o modo como a mente adquire as percepções denominadas ideias.
Todas as ideias são formas a priori da mente e, mediante essas ideias, organizamos as respectivas impressões na experiência.
Todas as nossas ideias advêm das nossas experiências e são cópias das nossas impressões, as quais sempre antecedem nossas ideias.
Todas as ideias são cópias de percepções inteligíveis, que adquirimos através de uma experiência metafísica, que transcende toda a realidade empírica.
Todas as nossas ideias já existem de forma inata, e são apenas preenchidas pelas impressões, no momento em que temos algum contato com a experiência.

Questão 12

Leia o texto a seguir.
As ideias produzem as imagens de si mesmas em novas ideias, mas, como se supõe que as primeiras ideias derivam de impressões, continua ainda a ser verdade que todas as nossas ideias simples procedem, mediata ou imediatamente, das impressões que lhes correspondem.
HUME, D. Tratado da Natureza Humana. Trad. De Serafim da Silva Fontes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001. p.35.
Com base no texto e nos conhecimentos sobre a questão da sensibilidade, razão e verdade em David Hume, considere as afirmativas a seguir.
I. Geralmente as ideias simples, no seu primeiro aparecimento, derivam das impressões simples que lhes correspondem.
II. A conexão entre as ideias e as impressões provém do acaso, de modo que há uma independência das ideias com relação às impressões.
III. As ideias são sempre as causas de nossas impressões.
IV. Assim como as ideias são as imagens das impressões, é também possível formar ideias secundárias, que são imagens das ideias primárias.
Assinale a alternativa correta.
Somente as afirmativas I, II e III são corretas.
Somente as afirmativas I e II são corretas.
Somente as afirmativas III e IV são corretas.
Somente as afirmativas I e IV são corretas.
Somente as afirmativas II, III e IV são corretas.

Questão 13

David Hume nasceu na cidade de Edimburgo, em pleno Século das Luzes, denominação pela qual ficou conhecido o século XVIII. Para investigar a origem das ideias e como elas se formam, Hume parte, como a maioria dos filósofos empiristas, do cotidiano das pessoas.
Do ponto de vista de um empirista,
não existem ideias abstratas.
não existem ideias inatas.
não existem ideias a posteriori.
não existem ideias formadas pela experiência.

Questão 14

A razão, para Hume, é:
“a descoberta da verdade ou da falsidade. A verdade e a falsidade consistem no acordo e desacordo seja quanto à relação real de ideias, seja quanto à existência e aos fatos reais”.
“nossas propensões naturais e distinções morais implicam, necessariamente, uma razão inata”.
“os concomitantes da ação induzem a uma concepção notória daquilo que se pode determinar como universo da razão”.
“em sentido estrito e filosófico, a razão nos informa sobre os critérios e conexões entre as paixões e desafetos humanos”.

Questão 15

O ponto de partida do empirismo de Locke é a ideia de que tudo que está na mente passou antes pelos sentidos.
Considerando isso, qual das alternativas abaixo está INCORRETA:
Locke também usou a expressão latina “tábula rasa” para se referir à sua concepção sobre o conhecimento.
A ideia de infinito é uma ideia simples produzida pela visão, sem o trabalho das faculdades da mente.
Tato, paladar, olfato, audição e visão são os meios pelos quais ideias sobre o mundo exterior são criadas na mente humana.
Ideias como pensamento e emoção são obtidas a partir da observação de nossas próprias operações mentais.

✏️ Banco de questões e atividades de filosofia ✏️ Lista de exercícios