Nietzsche e o Niilismo

Há um equívoco comum de que o filósofo alemão Friedrich Nietzsche era um niilista. Você pode encontrar essa afirmação na literatura popular e acadêmica, mas não é realmente um retrato preciso de seu trabalho. Nietzsche escreveu muito sobre o niilismo, é verdade, mas isso porque ele estava preocupado com os efeitos do niilismo na sociedade e na cultura, não porque ele defendesse o niilismo.

Mesmo assim, talvez seja um pouco simplista demais. A questão de se Nietzsche realmente defendeu ou não o niilismo depende muito do contexto: a filosofia de Nietzsche é um alvo em movimento porque ele tinha tantas coisas diferentes a dizer sobre tantos assuntos diferentes, e nem todo o que ele escreveu é perfeitamente consistente.

Nietzsche é um niilista?

Nietzsche poderia ser categorizado como niilista no sentido descritivo de quem acreditava que não havia mais qualquer substância real nos valores sociais, políticos, morais e religiosos tradicionais. Ele negou que esses valores tivessem alguma validade objetiva ou que eles impunham quaisquer obrigações vinculantes sobre nós. Na verdade, ele até argumentou que eles poderiam às vezes ter consequências negativas para nós.

Poderíamos também categorizar Nietzsche como um niilista, no sentido descritivo, de que ele via que muitas pessoas na sociedade à sua volta eram efetivamente niilistas. Muitos, se não a maioria, provavelmente não admitiriam, mas Nietzsche percebeu que os velhos valores e a velha moralidade simplesmente não tinham o mesmo poder que outrora. É aqui que ele anunciou a “morte de Deus”, argumentando que a fonte tradicional de valor final e transcendental, Deus, não mais importava na cultura moderna e estava efetivamente morta para nós.

Descrever o niilismo não é o mesmo que advogar o niilismo, então há algum sentido em que Nietzsche fez o segundo? De fato, ele poderia ser descrito como um niilista em um sentido normativo porque considerava a “morte de Deus” como sendo, em última análise, uma coisa boa para a sociedade. Como mencionado acima, Nietzsche acreditava que os valores morais tradicionais, e em particular aqueles derivados do cristianismo tradicional, eram em última análise prejudiciais à humanidade. Assim, a remoção de seu apoio primário deveria levar à sua queda – e isso só poderia ser uma coisa boa.

Nietzsche e uma alternativa ao niilismo

É aqui, no entanto, que Nietzsche separa dos demais niilistas. Os niilistas olham para a morte de Deus e concluem que, sem qualquer fonte perfeita de valores absolutos, universais e transcendentes, então não pode haver valores reais. Nietzsche, no entanto, argumenta que a falta de tais valores absolutos não implica a ausência de quaisquer valores.

Pelo contrário, libertando-se das cadeias que o ligam a uma perspectiva única, normalmente atribuída a Deus, Nietzsche é capaz de dar uma audiência justa aos valores de muitas perspectivas diferentes e até mesmo mutuamente exclusivas. Ao fazê-lo, ele pode concluir que esses valores são “verdadeiros” e apropriados para essas perspectivas, mesmo que possam ser inadequados e inválidos para outras perspectivas. De fato, o grande “pecado” dos valores cristãos e dos valores iluministas é, pelo menos para Nietzsche, a tentativa de fingir que eles são universais e absolutos, e não situados em algum conjunto particular de circunstâncias históricas e filosóficas.

Nietzsche se afasta do niilismo porque não estava simplesmente interessado em derrubar crenças tradicionais baseadas em valores tradicionais; em vez disso, ele também queria ajudar a construir novos valores. Ele apontou na direção de um “super-homem” que poderia construir seu próprio conjunto de valores, independentemente do que alguém pensasse.

Nietzsche foi certamente o primeiro filósofo a estudar o niilismo extensivamente e a tentar levar suas implicações a sério, mas isso não significa que ele era um niilista, no sentido que a maioria das pessoas entende pelo rótulo. Ele pode ter levado o niilismo a sério, mas apenas como parte de um esforço para fornecer uma alternativa ao vazio que esse implica.