A escada do amor de Platão

3 min de leitura
Última atualização setembro 2019

A “escada do amor” é uma metáfora que ocorre no livro O Banquete de Platão. Sócrates, fazendo um discurso em louvor a Eros (o deus do amor grego), relata os ensinamentos de uma sacerdotisa, Diotima. A “escada” representa a ascensão que um amante pode fazer da atração puramente física a um corpo bonito, o degrau mais baixo, à contemplação da forma ou ideia da Beleza em si

Diotima explica os estágios dessa ascensão a partir do tipo de beleza pela qual  o amante deseja e é atraído

  1. Um corpo lindo em particular. Este é o ponto de partida, quando o amor, que por definição é um desejo por algo que não temos, é primeiro despertado pela visão da beleza individual
  2. Todos os belos corpos. De acordo com a teoria das ideias platônica, todos os corpos belos compartilham algo em comum, algo que o amante acaba reconhecendo. Quando ele reconhece isso, ele vai além de uma paixão por qualquer corpo em particular
  3. Belas almas. Em seguida, o amante percebe que a beleza espiritual e moral é muito mais importante que a beleza física. Então, ele desejará agora o tipo de interação com figuras nobres que o ajudarão a se tornar uma pessoa melhor
  4. Belas leis e instituições. Estes são criados por pessoas boas (lindas almas) e são as condições que promovem a beleza moral
  5. A beleza do conhecimento. O amante volta sua atenção para todos os tipos de conhecimento, mas particularmente, no final, para a compreensão filosófica.
  6. Beleza em si – isto é, a ideia de beleza. Isto é descrito como “uma beleza eterna que não vem nem vai, a qual não floresce nem se desvanece”. É a própria essência da beleza, “subsistindo em si mesma e por si mesma em uma unidade eterna”. O amante que subiu a escada apreende a ideia da Beleza em uma espécie de visão ou revelação, não através de palavras ou da maneira como outros tipos de conhecimento mais comum são conhecidos
Ver também  Uma história da felicidade

Diotima diz a Sócrates que, se algum dia ele atingisse o degrau mais alto da escada e contemplasse a ideia da Beleza, nunca mais seria seduzido pelas atrações físicas de jovens belos. Nada poderia tornar a vida mais valiosa do que desfrutar desse tipo de visão. Porque a ideia da Beleza é perfeita, inspirará perfeita virtude naqueles que a contemplam

Este relato da escada do amor é a fonte para a noção familiar de “amor platônico”, que significa o tipo de amor que não é expresso por relações sexuais. A descrição da ascensão pode ser vista como um relato da sublimação, o processo de transformar um tipo de impulso em outro, geralmente aquele que é visto como “superior” ou mais valioso. Nesse caso, o desejo sexual por um corpo bonito torna-se sublimado em um desejo de compreensão e discernimento filosófico