Escola cínica

3 min de leitura
Por
William é formado em filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), tem especialização em docência e trabalha como professor de filosofia no ensino médio.
Última atualização agosto 2019

O cinismo é uma escola de filosofia que surgiu no século IV a.C. na Grécia antiga. Seus membros sustentam que viver de modo virtuoso é viver de acordo com a natureza. Isso significa deixar de lado as convenções sociais e seguir o que nossa natureza exige. Na prática, quer dizer rejeitar coisas como riqueza, poder, fama e até mesmo um abrigo ou alimento cozido.

Os cínicos procuravam seguir a natureza e podiam ser bastante indiferentes diante de quaisquer insultos que pudessem resultar de seu comportamento não convencional. Eles viam parte de seu trabalho agindo como o cão de guarda da humanidade, e evangelizar e persuadir as pessoas sobre o erro de seus caminhos, particularmente criticando qualquer demonstração de ganância, que eles viam como uma das principais causas de sofrimento. Muitas de suas ideias foram posteriormente absorvidas pelo estoicismo.

O fundador do cinismo como um movimento filosófico é geralmente considerado Antístenes (445 – 365 a.C. ), que foi um dos mais importantes discípulos de Sócrates. Ele pregou uma vida de pobreza, mas seus ensinamentos também abrangiam a linguagem, o diálogo e a literatura, além da ética em que os últimos cínicos se concentraram.

Antístenes foi seguido por Diógenes de Sinope, que vivia em um barril nas ruas de Atenas, e comia carne crua, levando o cinismo a seus extremos lógicos. Diógenes domina a história do cinismo como nenhuma outra figura, e ele passou a ser visto como o filósofo cínico modelo. Dedicou sua vida à auto-suficiência, à austeridade e à falta de vergonha, e ficou famoso por sua mordaz sátira e humor.

Diógenes principal representante da escola cínica

Pintura representando Diógenes, um dos filósofos cínicos mais conhecidos, no barril onde vivia.

Crates de Tebas (365 – 285 a. C.), que doou uma grande fortuna para poder viver uma vida de pobreza em Atenas, foi outro influente e respeitado cínico da época. Outros notáveis ​​cínicos gregos incluem Onesícrito de Astipalea (360 – 290 a.C.), Hipárquia de Maroneia (350 – 280 a.C.), Metrocles de Maroneia (325 a.C.), Bion de Boristene (325 – 255 a.C.), Menipo de Gadara (300 – 260 a.C.) e Cercidas (250 a.C.).

Com a ascensão do estoicismo no século III a.C., o cinismo como uma atividade filosófica séria sofreu um declínio e foi na era romana que houve um renascimento cínico. O cinismo se espalhou com a ascensão da Roma Imperial no século I d.C., e os cínicos podiam ser encontrados por todas as cidades do Império Romano, onde eram tratados com uma mistura de desprezo e respeito. O cinismo parece ter prosperado no século IV, ao contrário do estoicismo. Notáveis ​​cínicos romanos incluem Demétrio (10 – 80 d.C.), Enomau de Gadara (século II) e Peregrino Proteu (95 – 167 d.C.).

O cinismo finalmente desapareceu no final do século V, embora muitas de suas ideias ascéticas e métodos retóricos tenham sido adotadas pelos primeiros cristãos.