Protágoras | Filosofia na Escola

Protágoras

protágoras

Introdução

Protágoras de Abdera foi um dos vários pensadores gregos do quinto século (incluindo também Górgias, Hípias e Pródico) coletivamente conhecidos como Sofistas, um grupo de professores viajantes ou intelectuais que eram especialistas em retórica (a ciência da oratória) e assuntos relacionados.

Protágoras é conhecido principalmente por três afirmações (1) que o homem é a medida de todas as coisas (o que é frequentemente interpretado como um tipo de relativismo radical); (2) que ele poderia fazer o argumento “pior (ou mais fraco) parecer melhor (ou mais forte)” e (3) que não se pode dizer se os deuses existiram ou não.

Enquanto algumas fontes antigas afirmam que essas posições o levaram a ser julgado por impiedade em Atenas e seus livros foram queimados, essas histórias podem muito bem ter sido lendas posteriores. A noção de Protágoras de que os juízos e o conhecimento são de algum modo relativos à pessoa que julga ou conhece tem sido muito influente, e ainda é amplamente discutida na filosofia contemporânea.

A influência de Protágoras na história da filosofia foi significativa. Historicamente, foi em resposta a Protágoras e seus colegas sofistas que Platão começou a busca de formas transcendentes de conhecimento que pudesse de alguma forma ancorar o julgamento moral. Com os outros sofistas e Sócrates, Protágoras foi parte de uma mudança no foco filosófico da antiga tradição pré-socrática da filosofia natural para um interesse na filosofia humana. Ele enfatizou como a subjetividade humana determina a maneira como entendemos, ou mesmo construímos, nosso mundo, uma posição que ainda é parte essencial da moderna tradição filosófica.

Vida

Surpreendentemente pouco se sabe da vida de Protágoras com alguma certeza. Nossas principais fontes de informação sobre Protágoras são:

Platão (427 – 347 a.C.): Protágoras é um personagem principal em um diálogo de Platão chamado Protágoras suas ideias são amplamente discutidas no Teeteto. Os diálogos de Platão, no entanto, são uma mistura de relato histórico e licença artística, muito à maneira das peças cômicas do período. Além disso, Protágoras morreu quando Platão era bem jovem e Platão pode ter dependido de evidências de segunda mão não totalmente confiáveis ​​para sua compreensão de Protágoras.

Diógenes Laércio (século III): Vida e Doutrina dos Filósofos Ilustres, de Diógenes, é provavelmente nossa fonte mais extensa para muitas obras e biografias de antigos filósofos gregos. Infelizmente, seu trabalho foi compilado ao longo de seiscentos anos após a morte de Protágoras e é uma compilação acrítica de materiais de uma ampla variedade de fontes, algumas confiáveis, outras não, e muitas irremediavelmente deturpadas.

Sexto Empírico (final do século II): Sexto Empírico era um cético da escola pirrônica. Escreveu vários livros criticando os dogmáticos (não-céticos). Seu tratamento de Protágoras é um tanto favorável, mas desde que seu propósito é provar a superioridade do pirronismo em relação a todas as outras filosofias, não podemos confiar nele como uma fonte de informação “objetiva” em um sentido moderno; além disso, como Diógenes, ele escreveu várias centenas de anos após a morte de Protágoras e pode não ter tido fontes completamente confiáveis.

O primeiro passo para entender Protágoras é definir a categoria geral de “sofista”, termo frequentemente aplicado a Protágoras na antiguidade. No século V a.C., o termo se referia principalmente a pessoas que eram conhecidas por seu conhecimento (por exemplo, Sócrates, os sete sábios) e àqueles que ganhavam dinheiro ensinando alunos avançados (por exemplo, Protágoras, Pródico). Nesse contexto o termo é um pouco neutro, embora às vezes usado com conotação pejorativa por aqueles que desaprovaram as novas ideias do chamado “Iluminismo Sofístico”.

No século IV a.C., o termo se torna mais especializado, limitado àqueles que ensinavam retórica, especificamente a capacidade de falar em assembleias ou tribunais. Porque habilidades sofisticadas poderiam promover a injustiça (demagogia em assembleias, ganhando processos injustos) bem como a justiça (persuadindo a polis a agir corretamente, permitindo que os desprivilegiados ganhem justiça para si próprios), o termo “sofista” adquiriu gradualmente a conotação negativa de esperteza não restringida pela ética.

Porém, se os sofistas realmente tinham algum corpo comum de doutrinas é incerto. Às vezes, os estudiosos tendem a agrupá-los e atribuem a todos eles uma combinação de ceticismo religioso, habilidade em argumentar, relativismo epistemológico e moral e certo grau de inescrupulosidade intelectual.

Quando separamos Protágoras de imagens gerais sobre os “sofistas”, como a maioria dos estudiosos recomenda, nossas informações sobre ele são relativamente escassas. Ele nasceu em aproximadamente 490 a.C., na cidade de Abdera, na Trácia e morreu em 420 a.C. em local desconhecido. Viajou pela Grécia ganhando a vida principalmente como professor e talvez conselheiro e viveu em Atenas por vários anos, onde ele se associou com Péricles e outros atenienses ricos e influentes. Péricles convidou-o a escrever a constituição para a recém-fundada colônia ateniense de Thurii em 444 a.C. Muitas lendas posteriores se desenvolveram em torno da vida de Protágoras que provavelmente são falsas, incluindo histórias sobre ele ter estudado com Demócrito, seu julgamento por impiedade e a queima de seus livros.

Carreira

Se nosso conhecimento da vida de Protágoras é escasso, nosso conhecimento de sua carreira é vago. Protágoras foi provavelmente o primeiro grego a ganhar dinheiro com ensino especializado e era conhecido pelas taxas extremamente altas que cobrava. Seu ensino incluía temas gerais como falar em público, poesia, política e gramática. Seus métodos de ensino pareciam consistir principalmente de palestras, incluindo orações modelo, análises de poemas, discussões sobre os significados e usos corretos das palavras e regras gerais de oratória. Sua audiência consistia principalmente de homens ricos, das elites sociais e comerciais de Atenas. A razão de sua popularidade entre essa classe tinha a ver com características específicas do sistema jurídico ateniense.

Atenas era uma sociedade extremamente litigiosa, com muitas disputas em tribunais. Como os atenienses tinham que se representar no tribunal em vez de contratar advogados, era essencial que os homens ricos aprendessem a falar bem para defender suas propriedades; se não pudessem fazê-lo, ficariam à mercê de qualquer um que quisesse extorquir dinheiro deles. Embora isso tornasse os ensinamentos de Protágoras extremamente valiosos, também levou uma certa facção conservadora (por exemplo, o dramaturgo cômico Aristófanes) a desconfiar dele, da mesma forma que as pessoas agora poderiam desconfiar de um advogado esperto.

Ideias

As ideias de Protágoras podem ser divididas em três grupos:

  • Ortoépia: o estudo do uso correto das palavras.
  • Relativismo: a noção de que o conhecimento é relativo ao conhecedor.
  • Agnosticismo: a alegação de que não podemos saber nada sobre os deuses.

Ortoépia

Talvez porque o lado prático de seu ensino estava preocupado em ajudar os alunos a aprenderem a falar bem no tribunal, Protágoras estava interessado em “ortoépia” (o uso correto das palavras). Fontes posteriores o descrevem como um dos primeiros a escrever sobre gramática (no sentido moderno da sintaxe) e ele parece interessado no significado correto das palavras. No Protágoras, o diálogo platônico nomeado em homenagem ao famoso sofista, que tem Protágoras e Pródico como participantes, Protágoras é mostrado interpretando um poema de Simónides, com especial preocupação para a questão da relação entre a intenção do escritor e os significados literais das palavras. Este método de interpretação seria especialmente útil na interpretação de leis e outras fontes escritas (contratos, testamentos e assim por diante) no tribunal. Infelizmente, não temos nenhum texto do próprio Protágoras sobre o assunto.

O homem é a medida de todas as coisas

Dos títulos de livros atribuídos a Protágoras, apenas dois, “Verdade” (ou “Refutações”) e “Sobre os Deuses” são provavelmente precisos. Das obras de Protágoras, apenas algumas breves citações embutidas nos trabalhos de autores posteriores sobreviveram. Das frases que sobreviveram, a mais famosa é a afirmação

O homem é a medida de todas as coisas, das coisas que são, enquanto são, das coisas que não são, enquanto não são.

O significado preciso dessa afirmação, como o de qualquer pequeno excerto retirado do contexto, está longe de ser óbvio, embora a longa discussão dele no Teeteto de Platão nos dê uma ideia de como o público grego antigo a interpretou.

O exemplo geralmente normalmente usado para explicar seu significado é a temperatura. Se a Sra. X. diz “está calor”, então a declaração (a menos que ela esteja mentindo) é verdadeira para ela. Outra pessoa, a Sra. Y, pode reivindicar simultaneamente “está frio”. Essa afirmação também pode ser verdade para ela. Se Sra. X normalmente vive no Alasca e Sra. Y no Brasil, a mesma temperatura (por exemplo, 25 graus) pode parecer quente para uma e fria para o outra.

A medida de calor ou frieza é obviamente a pessoal e individual. Não se pode dizer legitimamente à Sra. X que ela não está sentindo calor — ela é a única pessoa que pode relatar com precisão suas próprias percepções ou sensações. Neste caso, é de fato impossível contradizer a afirmação de Protágoras de que o homem é a medida.

Mas e se a Sra. Y, afirmando que está com frio, sugere que, a menos que o aquecimento seja ligado, os canos congelarão? Pode-se suspeitar que seu julgamento não seja confiável; a medida pode ainda ser a pessoa, mas não é confiável, assim como não é confiável uma régua quebrada. Em uma cultura científica moderna, com uma predileção por soluções científicas, poderíamos pensar em consultar um termômetro para determinar a verdade objetiva. A resposta grega foi examinar as implicações filosóficas mais profundas.

Mesmo se o caso de os canos congelarem poder ser resolvido de forma trivial, o problema de ser simultaneamente quente e frio para duas mulheres permanece interessante. Se isso não puder ser resolvido determinando-se que a pessoa está com febre, nos é apresentada uma evidência de que os julgamentos sobre as qualidades são subjetivos.

Se este for o caso, porém, tem consequências alarmantes. Abstrações como verdade, beleza, justiça e virtude também são qualidades e parece que a afirmação de Protágoras nos levaria a concluir que elas também são relativas ao observador individual, uma conclusão que muitos atenienses conservadores consideraram alarmante por causa de suas potenciais consequências sociais. Se bem e mal são apenas o que parece bom e ruim para o observador individual, então como alguém pode afirmar que roubar, adultério ou impiedade, assassinato estão de alguma forma errados?

Além disso, se algo pode parecer quente e frio (ou bom e ruim), então ambas as afirmações, que a coisa é quente e que a coisa é fria, podem ser defendidas igualmente bem. Se o adultério é tanto bom quanto ruim (bom para uma pessoa e ruim para outra), então pode-se construir argumentos igualmente válidos a favor e contra o adultério em geral ou um caso de adultério em particular. O que fará com que um caso triunfe no tribunal não é algum valor inerente de um lado, mas a arte persuasiva do orador. As habilidades oratórias ensinadas por Protágoras tinham, portanto, potencial para promover o que a maioria dos atenienses considerava injustiça ou imoralidade.

Agnosticismo

Enquanto os piedosos podem querer olhar para os deuses para fornecer orientação moral absoluta no universo relativista do Iluminismo Sofístico, essa certeza também foi posta em dúvida pelos sofistas, que apontaram o absurdo e a imoralidade dos relatos épicos convencionais sobre os deuses. O livro de Protágoras sobre os deuses começa afirmando que

Com relação aos deuses, não temos meios de saber se eles existem ou não, ou de que tipo eles podem ser. Muitas coisas impedem o conhecimento, incluindo a obscuridade do assunto e a brevidade da vida humana.

Consequências Sociais e Seguidores Imediatos

Como consequência do agnosticismo e relativismo de Protágoras, ele pode ter considerado que as leis (legislativas e judiciais) eram coisas que evoluíam gradualmente por acordo (trazidas pelo debate em assembleias democráticas) e, portanto, poderiam ser alteradas por um debate mais aprofundado. Esta posição implica que havia uma diferença entre as leis da natureza e os costumes dos humanos. Embora o próprio Protágoras parecesse respeitar, e até reverenciar, os costumes da justiça humana, alguns dos seguidores mais jovens de Protágoras e dos outros Sofistas concluíram que a natureza arbitrária das leis e costumes humanos implica que eles podem ser ignorados à vontade, uma posição que foi considerada uma das causas da notória amoralidade de figuras como Alcibíades.

O próprio Protágoras era um moralista razoavelmente tradicional e honesto. Ele pode ter considerado sua forma de relativismo como essencialmente democrática — permitindo que as pessoas revisassem leis injustas ou obsoletas, se defendessem nos tribunais, libertassem-se de falsas certezas — mas ele também poderia ter considerado a retórica um modo pelo qual a elite manipula as massas nas assembleias. Nossa evidência sobre esse assunto é, infelizmente, mínima.

As consequências do ceticismo radical as ideias dos sofistas pareceram, pelo menos para Platão e Aristófanes, entre outros, não serem benignas. Na peça de Aristófanes chamada As Nuvens, um professor de retórica (chamado Sócrates, mas com doutrinas baseadas em grande parte naquelas dos sofistas, e possivelmente dirigidas especificamente a Protágoras ou a seus seguidores) ensina que os deuses não existem, moral os valores não são fixos e como fazer com que o argumento mais fraco pareça mais forte.

O resultado é o caos moral — os personagens principais são retratados como aprendendo truques inteligentes para permitir que enganem seus credores e, eventualmente, abandonem todo o senso de moralidade convencional. Embora ninguém tenha acusado Protágoras de ser outra coisa senão honesto — mesmo Platão, que desaprovou suas posições filosóficas, o retrata como generoso e cortês — suas técnicas foram adotadas por vários personagens sem escrúpulos na geração seguinte, dando à palavra sofisma a conotação negativa que ainda tem, no sentido de truques verbais inteligentes, mas falaciosos.

Influência

A influência de Protágoras na história da filosofia foi significativa. Historicamente, foi em resposta a Protágoras e seus colegas sofistas que Platão começou a busca de formas transcendentes de conhecimento que pudesse de alguma forma ancorar o julgamento moral. Com os outros sofistas e Sócrates, Protágoras fazia parte de uma mudança no foco filosófico da tradição pré-socrática da filosofia natural para um interesse pela filosofia humana. Ele enfatizou como a subjetividade humana determina a maneira como entendemos, ou mesmo construímos, nosso mundo, uma posição que ainda é parte essencial da moderna tradição filosófica.

Autor

“Protagoras,” por Carol Poster, The Internet Encyclopedia of Philosophy, ISSN 2161-0002, https://www.iep.utm.edu/, 17/04/2019. Tradução e adaptação nossa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tudo que publicamos sobre:

Relacionado

John Locke

John Locke é um filósofo inglês, pai do liberalismo político, um dos principais representantes do empirismo e criador de conceitos como tábula rasa e direitos humanos.

Descartes

Descartes é considerado o pai da filosofia moderna e as suas concepções sobre o conhecimento, método, ciência e a mente humana foram e ainda são muito influentes.

Filosofia da ciência

A filosofia da ciência estuda o que é a ciência, o que diferencia esta de outras formas de saber, como a religião, e o método que usa para produzir conhecimento.