Racionalismo | Filosofia na Escola

Racionalismo

O racionalismo é uma abordagem epistemológica segundo a qual a razão, sem o auxílio da percepção, é capaz de conhecer algumas verdades inegáveis. A percepção se refere aos processos de ver, ouvir, cheirar, tocar e provar, pelos quais nos tornamos conscientes ou apreendemos objetos comuns, como cadeiras, mesas, pedras e árvores. Quando os racionalistas afirmam que o conhecimento é baseado na razão e não na percepção, eles querem dizer que não dependemos da experiência sensorial para todo o conhecimento fundamental que temos. Com efeito, os racionalistas afirmam que parte de nosso conhecimento não é produto da experiência, mas depende exclusivamente de nossos processos mentais. Eles sustentam que podemos adquirir conhecimento preciso sobre o mundo ao nosso redor simplesmente olhando em nossas mentes sem observar o mundo.

À primeira vista, essa afirmação pode parecer uma visão espantosamente estúpida: como podemos saber alguma coisa sobre o mundo sem observá-lo primeiro? Mas antes de deixar de lado essa visão de conhecimento, pense um pouco sobre como os matemáticos trabalham e como seu trabalho difere do de outros cientistas. Cientistas como químicos e físicos trabalham em laboratórios, onde realizam experimentos e observam os resultados. Os astrônomos usam telescópios gigantes para observar as estrelas. Os biólogos usam microscópios para determinar como são os organismos vivos. Em suma, esses cientistas precisam observar o mundo externo para verificar se suas teorias são verdadeiras. Não é assim o matemático. O matemático normalmente trabalha encolhido em sua mesa, talvez com as persianas desenhadas. No entanto, o matemático pode descobrir novos teoremas matemáticos em seu escritório sem usar nada além de lápis, papel e a razão. O matemático não precisa observar o mundo externo para ver se suas teorias e teoremas são verdadeiros.

No entanto, as teorias matemáticas que descobre simplesmente raciocinando em sua mente podem descrever com precisão os vastos limites do universo fora de seu pequeno escritório. Como esse conhecimento não depende da experiência sensorial, os racionalistas o denominam a priori, conhecimento que pode ser justificado independentemente da percepção sensorial e que é necessariamente verdadeiro e indubitável.

Além disso, o racionalista sustenta que esse conhecimento que a razão descobre sem fazer experimentos ou confiar nos achados da experiência sensorial fundamenta nossa compreensão do universo. Quando astrônomos investigam buracos negros e estrelas em galáxias a bilhões de quilômetros de distância, eles usam as teorias que o matemático raciocinou isoladamente. Quando os físicos exploram as complexidades das partículas subatômicas ou quando os biólogos examinam a química do DNA, eles também usam as teorias matemáticas que alguém simplesmente inventou.

Assim, a razão, sem depender da experiência sensorial, aparentemente nos dá conhecimento de verdades sobre o mundo que são tão básicas que todo o nosso conhecimento depende do nosso conhecimento prévio dessas verdades. Os racionalistas não acreditam necessariamente que todo conhecimento é adquirido apenas pela razão. Muitos deles concordam que parte do nosso conhecimento – por exemplo, se o sol está brilhando, se as girafas têm manchas, se os dinossauros existiram – é derivado do que observamos com nossos sentidos. Contudo, o racionalista caracteristicamente sustenta que parte de nosso conhecimento sobre a realidade é adquirido sem experiência sensorial. Assim como descobrimos verdades matemáticas raciocinando com nossas mentes, podemos descobrir outras leis básicas do universo sem nunca ter que observar esse universo.

Os racionalistas insistem que parte do conhecimento que adquirimos usando apenas a razão é conhecimento sobre o mundo ao nosso redor. Obviamente, temos conhecimento que não é sobre o mundo e que não é baseado na experiência sensorial, como o conhecimento de que todos os solteiros são solteiros. Mas tal conhecimento é verdadeiro por definição e, portanto, não nos dá nenhuma informação sobre o mundo. No entanto, o racionalista afirma que parte do nosso conhecimento sobre o mundo é adquirido apenas pelo uso da razão, sem experiência sensorial.

Por exemplo, alguns racionalistas sustentam que as leis da lógica e da matemática nos dizem como o mundo deve ser e que essas leis são estabelecidas apenas pela razão. Outros racionalistas afirmaram que nosso conhecimento de que “todo evento tem uma causa”, que “a menor distância entre dois pontos em uma superfície plana é uma linha reta”, que “o universo segue as mesmas leis em todas as suas partes”, e que “os processos do universo são regulares e podem ser explicados em termos de leis consistentes” são exemplos de conhecimento fundamental sobre o mundo ao nosso redor que não podem ser estabelecidos usando nossos sentidos.

A história da filosofia registra o pensamento de muitos filósofos racionalistas, incluindo Platão (428 – 348 a.C.) com sua teoria das ideias, Santo Agostinho (354 – 430), Descartes (1596 – 1650) Espinosa (1632 – 1677), Leibniz (1646–1716) e Hegel (1770–1831). Todos esses filósofos procuraram mostrar que a razão é uma fonte de conhecimento superior à sensação ou que pelo menos é possível conhecer alguns aspectos da realidade sem necessidade de recorrer aos sentidos. Alguns desses filósofos pensaram ser possível conhecer Deus, por exemplo, através da razão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tudo que publicamos sobre:

Relacionado

John Locke

John Locke é um filósofo inglês, pai do liberalismo político, um dos principais representantes do empirismo e criador de conceitos como tábula rasa e direitos humanos.

Descartes

Descartes é considerado o pai da filosofia moderna e as suas concepções sobre o conhecimento, método, ciência e a mente humana foram e ainda são muito influentes.

Filosofia da ciência

A filosofia da ciência estuda o que é a ciência, o que diferencia esta de outras formas de saber, como a religião, e o método que usa para produzir conhecimento.