Argumento circular ou petição de princípio | Filosofia na Escola

Argumento circular ou petição de princípio

Argumento circular é um tipo de falácia que consiste em justificar a conclusão que está sendo defendida usando a própria conclusão, com palavras um pouco diferentes. No argumento circular, nenhuma informação útil é acrescentada para sustentar a conclusão.

Podemos exemplificar a petição de princípio com exemplos como “Matar não é certo, logo matar não é certo”. Mas quando ocorre realmente na argumentação é frequente a conclusão apresentar  algumas (por vezes consideráveis) modificações linguísticas, de forma a não parecer uma mera repetição. Por exemplo:  “Matar  seres humanos não é moralmente certo; logo matar pessoas é eticamente errado” ou “O boxe é um esporte inseguro e arriscado; logo, o boxe é perigoso”.

Trata-se, portanto, de um argumento circular. Se analisarmos as ideias realmente expressas para além dessas variações linguísticas verificamos  que a relação que de fato se estabelece numa petição de princípio é P, logo P.

Ora, um argumento da forma P, logo P é válido (pois é impossível a premissa ser verdadeira e a conclusão falsa) e pode até ser sólido (se P representar uma proposição verdadeira). Mas trata-se de uma validade “irrelevante e não informativa”.  O argumento – apesar de válido ou mesmo sólido – é falacioso, pois as premissas não são mais plausíveis que a conclusão e não constituem, portanto, razões para aceitá-la.

Exemplo de argumento circular

Mateus – Eu acredito que Deus existe.
Érica – Mas como pode acreditar nisso? Que razões você tem?
Mateus – Ora, você não leu a Bíblia? Está escrito lá. Basta você ler o começo e verá que diz ter sido Deus o criador de todas as coisas…
Ética – Sim, sei muito bem que isso está escrito na Bíblia, mas não vejo porque deveríamos levar a sério o que ela afirma. É possível que tudo o que é dito lá não passe de uma fantasia.
Mateus – Isso não é possível. A Bíblia foi ditada por Deus aos homens e, portanto, tudo o que está escrito ali é verdadeiro.

Nesse caso, Érica poderia legitimamente afirmar que o argumento é circular, porque Mateus pretendia mostrar que Deus existe, mas para isso teve que pressupor sua existência para mostrar que a Bíblia fala a verdade.

Érica não tem nenhuma razão para acreditar que a Bíblia fala a verdade, afinal duvida da existência de Deus. E se não tem razões para acreditar que a Bíblia fala a verdade, também não terá para acreditar na existência de Deus. Por esse motivo estamos diante de um argumento falacioso. Mateus não foi capaz de oferecer uma razão independente para justificar sua afirmação inicial.

Referências e leitura adicional

Para conhecer mais, veja nossa lista de falácias com dezenas de textos didáticos abordando esse tema. Para uma análise mais aprofunda, sugerimos a leitura de Lógica Informal, um livro de Douglas Walton. Esse é o livro mais abrangente em português sobre o assunto.

Douglas Walton. Lógica Informal: manual de argumentação crítica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tudo que publicamos sobre:

Relacionado

John Locke

John Locke é um filósofo inglês, pai do liberalismo político, um dos principais representantes do empirismo e criador de conceitos como tábula rasa e direitos humanos.

Descartes

Descartes é considerado o pai da filosofia moderna e as suas concepções sobre o conhecimento, método, ciência e a mente humana foram e ainda são muito influentes.

Filosofia da ciência

A filosofia da ciência estuda o que é a ciência, o que diferencia esta de outras formas de saber, como a religião, e o método que usa para produzir conhecimento.