Evidência suprimida

evidência suprimida
A falácia de evidência suprimida ocorre quando uma informação que contraria o argumento é escondida.
3 min de leitura
Por
William é formado em filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), tem especialização em docência e trabalha como professor de filosofia no ensino médio.
Última atualização agosto 2019

Um bom argumento deve partir de informações verdadeiras. Porém, ocorre em alguns casos que as informações que servem como ponto de partida para uma conclusão são verdadeiras, mas parciais. Retratam apenas uma parte da história, não a sua totalidade. Quando informações verdadeiras são deixadas de fora por algum motivo, é cometido uma falácia chamada evidência suprimida.

A falácia de evidência suprimida também é conhecida como seleção das observações ou enumeração de circunstâncias favoráveis. Francis Bacon definiu essa falácia como “contar os acertos e esquecer os fracassos.

Exemplos

Aqui está um exemplo dessa falácia:

Os cachorros animais amigáveis que não oferecem qualquer risco para as pessoas. Por isso não é necessário tomar cuidado quando os filhos querem brincar com cachorros desconhecidos na pracinha.

No argumento acima, um fato importante é ignorado, suprimido. Muitos cachorros não são amigáveis. O autor do argumento deixou esse fato de lado porque contraria completamente a conclusão que deseja defender. Ao fazer isso cometeu a falácia da evidência suprimida.

Às vezes, também vemos essa falácia cometida na pesquisa científica sempre que alguém se concentra em evidências que sustentam sua hipótese, ignorando dados que tenderiam a contrariá-la. É por isso que é importante que os experimentos possam ser replicados por vários pesquisadores e que as informações sobre como os experimentos foram conduzidos sejam divulgadas. Outros pesquisadores podem notar evidências que foram originalmente ignoradas.

O criacionismo é um bom lugar para encontrar falácias de evidência suprimida. Existem alguns casos em que argumentos criacionistas simplesmente ignoram evidências relevantes para suas reivindicações, mas que lhes causariam problemas. Por exemplo, ao apresentar como uma “grande inundação” explicaria o registro fóssil:

À medida que o nível da água começou a subir, as criaturas mais evoluídas se moveram para terrenos mais altos por segurança, mas criaturas mais primitivas não o fariam. É por isso que você encontra criaturas menos complexas mais abaixo no registro fóssil e fósseis humanos perto do topo.

Todos os tipos de coisas importantes são ignoradas aqui, por exemplo, o fato de que a vida marinha teria se beneficiado de tal inundação e não seria encontrada em camadas inferiores por essas razões.

Evitando a falácia

Você pode evitar cometer a falácia de evidência suprimida sendo cuidadoso com relação a qualquer pesquisa que você faz sobre um tópico. Se você for defender uma proposição, você deve tentar encontrar evidências contraditórias e não simplesmente evidências que apoiem ​​sua pressuposição ou crenças. Ao fazer isso, é mais provável que você evite a falta de dados cruciais, e é menos provável que alguém possa acusá-lo razoavelmente de cometer essa falácia.

Referências e saber mais

Para conhecer mais, veja nossa lista de falácias com dezenas de textos didáticos abordando esse tema. Para uma análise mais aprofunda, sugerimos a leitura de Lógica Informal, um livro de Douglas Walton. Esse é o livro mais abrangente em português sobre o assunto.

Douglas Walton. Lógica Informal: manual de argumentação crítica. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.