Falácia da falácia ou argumentum ad logicam

Por
William é formado em filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), tem especialização em docência e trabalha como professor de filosofia no ensino médio.
dezembro 2019 - 2 min de leitura

A falácia da falácia, chamada argumentum ad logicam em latim, ocorre quando tiramos uma conclusão errada do fato de um argumento ser falacioso. O nome da falácia certamente não é dos melhores, porém não é difícil entender do que se trata.

Se você descobre que um determinado raciocínio é falacioso, infere disso que sua conclusão é falsa? Se fizer isso, estará cometendo a falácia da falácia. Deve considerar, para não cometer esse erro, a diferença entre argumento inválido e afirmação falsa. Uma falácia é um argumento inválido, mas disso não se segue que sua conclusão tenha que ser falsa, pois verdade e validade são coisas diferentes.

Considere o exemplo abaixo:

Nos Estados Unidos há mais facilidade para que pessoas comuns comprem armas e lá há menos violência que no Brasil.

Portanto, se no Brasil houvesse mais facilidade para pessoas possuírem armas, haveria menos violência.

O argumento acima é um tipo de falácia chamada de falsa analogia. O problema desse argumento é fazer uma comparação muito parcial entre os países ao ignorar diferenças que são relevantes para o nível de violência, como nível de renda, desigualdade, desenvolvimento econômico, crime organizado etc.

Porém, o fato desse argumento ser fraco não é uma razão suficiente para pensar que sua conclusão é falsa. Mesmo nesse caso a conclusão pode ser verdadeira. Seu interlocutor talvez consiga comprovar isso usando outros argumentos. Caso você ignore essa possibilidade, estará cometendo uma falácia da falácia.

Mais um exemplo:

Se Sofia está em Porto Alegre, então ela está no Rio Grande do Sul

Sofia está no Rio Grande do Sul.

Portanto, ela está em Porto Alegre.

Essa falácia é chamada de afirmação do consequente. É fácil notar que esse não é um bom argumento, já que não podemos concluir que, só por ela estar em um estado do Brasil, ela necessariamente se encontra em uma cidade desse estado.

Por outro lado, estaríamos cometendo uma falácia da falácia ao pensar que a conclusão do argumento é falso, ou seja, que Sofia não está em Porto Alegre, simplesmente porque o argumento é falacioso.

Referências e leitura adicional

Para conhecer mais, veja nossa lista de falácias com dezenas de textos didáticos abordando esse tema. Para uma análise mais aprofundada, sugerimos a leitura de Lógica Informal, um livro de Douglas Walton. Esse é o material mais abrangente em português sobre o assunto. Para mais referências, veja o artigo 7 Livros sobre Falácias.

Newsletter

Receba periodicamente novas publicações em seu e-mail.